Traduza esta Página
English plantillas curriculums vitae French cartas de amistad German documentales Spain cartas de presentación Italian xo Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
King Of Pop

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Últimos assuntos
»  Um Amor de Padrinho
Sex Set 02, 2016 10:55 pm por Mimijak

» Michael Jackson In Memoriam. Remembrances (Ingles)
Sab Jul 09, 2016 4:09 am por Mimijak

» Todos os Livros Sobre Michael
Seg Jun 13, 2016 1:29 am por Mimijak

» Simplesmente MICHAEL
Seg Jun 13, 2016 1:16 am por Mimijak

» Michael Jackson = A Visual Documentary 1958-2009
Seg Jun 13, 2016 1:08 am por Mimijak

» LoveIsHIsMessage
Qui Maio 26, 2016 7:41 pm por Mimijak

» Curso de Ingles Online: Qual Escolho?
Ter Maio 17, 2016 1:17 am por Mimijak

» Mini-fic - Favores
Dom Maio 15, 2016 1:07 am por Mimijak

» Insana Obsessão
Qui Maio 12, 2016 2:13 am por Mimijak

Meu MSN
Meu MSN – Venha conhcer - Click Aqui e vá  para o Meu Perfil
Michael Is Invincible - diHITT– Mimijak Invincible
 Michael Is Invincible – Mimijak Invincible - Click Aqui e vá  para o Blogger
Dangerous
DANGEROUS MJ- Click Aqui e vá  para o Fórum Dangerous

Michael e Buffy a sociedade de Cain

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Jul 26, 2015 7:40 pm

Michael e Buffy - A Sociedade de Cain
http://mjfanfics.ativoforum.com/t340-michael-e-buffy-a-sociedade-de-cain
Autoria: Blankie Jackson - Fórum: Michael Jackson Fan Fiction / Administradora


Group 1: Writers Intermédiarias


Sinopse

Quando Buffy Summer aceito o desafio de ser uma caça-vampiro não imaginou que sua vida iria mudar radicalmente, se apaixonar por seu “pior inimigo” Angel, por exemplo, não estava nos seus planos, durante anos nessa árdua batalha ela encontra com ninguém menos que Michael Jackson, que ate então ela jurava ser uma pessoa normal só extremamente excêntrica, mas depois de ver uma cena no mínimo familiar pra ela, ela percebe que as coisas não são bem assim e que as aparências enganam. E esse encontro promete ser mais que uma simples tietagem, mas uma tremenda descoberta que vai mudar o rumo da vida de todos no planeta. Descubra em:


Michael e Buffy - A Sociedade de Cain






Última edição por Mimijak em Qui Mar 17, 2016 8:26 am, editado 1 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Jul 26, 2015 7:52 pm

Michael e Buffy - A Sociedade de Cain





Capitulo I – Encontrando um Ilustre Conhecido.



Noite fria de inverno e já passa das 2h da manhã. Terminei a minha ronda e a cidade aparentemente está calma, aparentemente. Os vampiros nesse lugar ou estão com medo de mim e evitam cruzar comigo ou simplesmente eu os extingui da face da terra, prefiro pensar que estão com medo. Há dias que não vejo nenhum, fazendo com que as noites fiquem mais seguras. Depois que deixei terminei os meus estudos e comecei um trabalho paralelo para me manter. Ser caça-vampiro não traz dinheiro, então tenho que me virar pra manter o meu “disfarce” por assim dizer. Bom, estavam mais seguras, ate que vi uma cena um tanto estranha. Uma jovem ruiva, de corpo atlético, olhos de cor azuis tão claros que pareciam a agua da piscina do colégio que ate dava vontade de mergulhar neles, com um quadril largo e seios fartos andando com uma camisola nada descente pelas ruas naquela hora da madrugada. Parecia estar dormindo andando, “sonâmbula” pensei comigo. Será que essa maluca não sabe que não dá pra andar nesses trajes a essa hora da noite? Vai que algum tarado resolve se aproveitar dela? Resolvi segui-la para o próprio bem dela, para a minha surpresa ela entrou em um beco escuro e sombrio:
_ O que essa maluca está fazendo entrando ai – Falei em um tom vocalizado pra mim mesmo, me pus a chamá-la tentando evitar o pior – Ei moça! Onde pensa que vai? Esse beco é perigoso, moça? Moça? - Ela não me ouvia parecia que era surda, doida ou sei lá o que indo daquele jeito ignorando as pessoas a sua volta, insisti indo atrás dela beco adentro – Moça, por favor? Escute-me!!!! - Clamava em vão a poucos passos atrás dela nossa ela é rápida mesmo, pensei comigo.
Já estava cansada de fazer aquela vã peregrinação, escolta ou perseguição como queiram. Quando me deparo com um homem ao final da rua com os braços aberto e olhar fixo em direção a desvairada, apena uma leve luz indireta o denunciava, observei toda cena de longe. Ela o abraçou carinhosamente, parecia que o conhecia. Ela deslizava as mãos por seu rosto e dizia-lhe palavras de amor. Pareciam namorados apaixonados, pareciam. Ate que vi um belo par de presas brancas enormes brotar em seu sorriso, o que me fez revelar a minha existência. Corri em direção ao casal e para o meu espanto não consegui me aproximar o suficiente para impedir o ataque dele, era como se algo me segurasse ali. O máximo que consegui fazer foi atirar uma de minhas espadas afiada em sua direção, que por sorte o atingiu na perna o fazendo solta-la violentamente no chão e me olhou surpreso. Achei estranho!!!!
_ Buffy?! Quanta honra – Proferiu ele com um sorriso estranhamente encantador e familiar só não consegui me lembrar quem era.
_ Quando pensei que tinha livrado a cidade da sua espécie nojenta me aparece você – Completei furiosa partindo pra cima dela com as armas que eu tinha em mãos.
_ E furiosa, exatamente como me disseram que era. – Me imobilizando misteriosamente. – Preciso falar com você urgente. – Disse ele antes de acertá-lo por trás.
_ Você me conhece? – Questionei-o trocamos alguns golpes de luta marcial, ele luta bem – Essa sua voz não me é estranha.
_ Fico feliz que não tenha me reconhecido – Disse ele ficando em baixo do poste de luz que iluminava o final do beco – Você foi a primeira que não tentou me rasgar em anos.
_ Michael Jackson?! – Disse surpresa e ainda queria a minha ajuda, mas pra que? Pensei curiosa.
_ Em carne, osso e eu poderia dizer sangue, mas isso não vem ao caso agora. Prazer Buffy Summer.
_ Porque eu falaria com um monstro nojento igual a você, você matou aquela garota. – Apontei a moça caída no chão e tentei golpeá-lo novamente, mas não sai do lugar. Ela vai se levantar pra beber sangue dos humanos e isso eu não aceito.
_ Primeiro vamos aos fatos ok? Ela não virou vampira e também não está morta. Segundo se acha que os vampiros que matou nessa cidade são grandes problemas, você nem faz ideia do problema que está por vir e isso te interessa profundamente. Quer me ouvir ou quer continuar a tentar me matar? Eu tenho a eternidade pra isso se quiser?
_ E quanto a garota que você matou? Como fica?
_ Eu não a matei ela já disse – Bufando - Está apenas desacordada, pode ir lá conferir se quiser, ela vai acorda amanhã um pouco anêmica, e com o ombro deslodado da queda que você me fez dar nela e achando que sonhou tudo, fora isso ela vai sobreviver.
Fui conferi o que ele dizia cautelosamente e realmente ela estava respirando e não tinha nenhuma marca de pressas nela?! Duvidas pipocavam na minha cabeça como isso era possível? Nunca vi ou ouvi falar nisso!!!! Olhei para ele sem entender nada que me respondeu:
_ Viu? Será que agora posso leva-la para casa e nós conversarmos? Sei que não está entendendo nada – Ele se aproximou de nós para pegar a sua “vitima” eu o impedi.
_ Eu a levo, eu a levo, não quero você encostando nela de novo. – Ele estava certo não estava entendendo nada, o que afinal era tão urgente assim que me interessava.
_ Como queira. Não existem mais damas como antigamente – Sussurrou ele em um canto quase inaudível.
_ Só preciso saber de onde ela veio – A pondo em meus ombros ele logo veio atrás com um sorriso irônico para o meu lado e completa.
_ Protege a cidade e não sabe onde as pessoas moram? Que feio, me segue.
Confesso que andar seguindo o Michael Jackson pelas ruas as quase três da manha não era nada normal, ainda mais carregando nas costas uma mulher de 63 quilos seminua. Quem nos visse ia achar no mínimo estranho. Caminhamos por varias ruas ate chegar a uma casa colonial bem conservada a aproximadamente 20 minutos de distancia de onde estávamos, então ele parou:
_ É aqui – Proferiu orgulhoso do feito – Ela dorme no segundo andar.
_ Como você sabe, não está tentando me enganar? – Ele suspirou pesado e completou.
_ Ela mesmo que me contou oras. – Se virando de costas pra mim parecendo criança fazendo birra.
_ Como se ela está desacordada. – Falei em um misto de brava com curiosidade.
_ Pelo jeito as coisas não serão tão fáceis quanto eu pensei. Espero que você aprenda rápido por estamos perdendo tempo com isso. Me da ela aqui ao menos que queira escalar com ela nas costas ate a janela dela. – Ele apontou pra cima revelando a janela aberta, ai me dei conta que não conseguiria sozinha. A contra gosto passei o meu peso extra pra ele, que subiu tão rápido que quase não o consegui enxergar ao entrar no quarto. Com um pouco de dificuldade subi logo atrás dele.
_ Vai deixa-la ai no chão entre os moveis? – Disse entrando pela janela aberta visualizando a cena a minha frente.
_ Você me fez deslocar o ombro dela na queda quando jogou aquela espada em mim. Não acha estranho se ela acorda deitada na cama com o ombro deslocado sendo que ela não saiu de casa?
_ Mas ela saiu de casa senhor Jackson – Falei o repreendendo em tom mais alto o fazendo tapa minha boca.
_ Fica quieta, quer acorda a casa toda? – Exclamou ele – Quando acordar ela vai pensa que sonho que teve comigo foi tal real que acabou parando no chão durante o sono. E por consequência machucado o ombro na queda da cama enquanto dormia. – Proferiu ele amarfanhando uns lençóis no chão - Vamos embora antes que ela acorde ou alguém da casa venha conferir o barulho que você fez. – Disse em tom mais baixo.
Saímos do mesmo modo que entramos. Ele me ajudou a passar pela janela e me segurou pela cintura, e flutuamos ate tocarmos o chão para o meu espanto, nós caminhamos rápido para um hotel ao qual ele havia se hospedado, era lugar seguro para conversarmos.
_ Ok espertinho fala o que é urgente e que precisa da minha ajuda. – Ordenei autoritária ao entrarmos na sua suíte da mesma forma que saímos da casa da moça ruiva.
_ Bom nem sei por onde começar.
_ Vai pelo começo senhor Jackson.
_ Certo, é justo – Ele respirou fundo e então proferiu – Buffy Summers tudo que você conhece nessa vida está em perigo.
_ Como assim?
_ Deixe-me termina ai você fala ok? – Me repreendeu.
_ Prossiga.
_ O mundo que você conhece de humanos e vampiros vão ser extinto se nada for feito.
_ Extinto?
_ Sim, extinto. Esses vampiros que vocês caçadores vêm perseguindo ate hoje, são apenas aponta do iceberg secular que envolve a historia da humanidade e a nossa. Esses vampiros que você caça são conhecidos na nossa sociedade como Anarquistas e/ou Caitiffs. Eles querem destruir os anciões vampiros.... – Interrompido por mim.
_ E dai? Que se matem entre vocês, menos trabalho pra mim. – Ironizei a historia da carochinha.
_ Se o problema fosse só esse seria ótimo, mas eles querem matar os seres humanos sem pudor ou regras de convivência. Transformando o mundo em caos e um profundo banho de sangue.
_ Agora o problema é comigo.
_ Por isso estou aqui. Para propor um acordo de ajuda mútua para determos essa catástrofe.
_ Se eu não aceitar.
_ Não tem como recusar. De um jeito ou de outro você terá que agir, estamos apenas fornecendo ajuda pra você enfrentar isso com mais força e precaução. A sua antecessora morreu por que não sabia o com o que estava lidando.
_ O que sabe sobre a morte da minha antecessora?
_ Tudo. E posso garantir que ela foi apenas o começo de tudo que está por vir. Você será a próxima se não aceitar a nossa ajuda.
_ Nossa ajuda? Tem mais de vocês? - Indaguei espantada.
_ Sim, muitos mais.
_ E porque não a ajudaram?- Indignada
_ Não tivemos tempo de chegar a ela antes dos acontecimentos, já era tarde de mais quando a alcancei. Desde que você foi escolhida estamos monitorando seus passos e vimos que você tem grandes chances de nos a ajudar e nós a você.
_ E o que eu ganho com isso?
_ A sua vida de volta, sem ter que caçar vampiros ate morrer ou ser morta.
Oferta tentadora eu confesso, mas eu gosto do que faço. Porem minha missão é proteger a humanidade de ser morta por eles. Então resolvi aceitar.
_ Já que não tenho escolha, mas vou ficar de olho em você e na sua amiguinha da noite passada. Se estiver me enganando não vou pensar duas vezes em fazê-lo virar pó, me entendeu bem?
_ Não vai se arrepender garanto. – Sorriu para mim – Mas devo avisa-la que não vim aqui sozinho. – Me revelando vários outros vampiros. O que me deu muito medo.....



Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:30 am, editado 3 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Jul 26, 2015 8:00 pm

Capitulo II – Problemas a Vista


A sala estava lotada de homens e mulheres com aparecias diferente. Algumas eram ate bem familiares pra mim, outras nem de longe lembravam vampiros. Se me deparasse com algum deles na rua com certeza passariam em branco para mim. Permaneci sentada onde estava. Apenas me dei ao trabalho de seguir a regra de etiqueta e cumprimentar a todos, mas minha curiosidade e instinto falaram mais alto:
_ Quem são eles? – Perguntei em alerta o tempo todo.
_ São todos príncipes vampiros.
_ E vampiros tem realeza?
_ Em parte sim. Príncipes é como são chamados os regente das cidades que eles habitam. Nada acontece sem autorização do príncipe local, nem mesmo a sua entrada na cidade. – Me explicou calmamente - Eles querem conversar com você.
_ Porque eles têm a aparência tão....?
_ Humana?
_ Suas duvidas serão respondidas em breve. Apenas ouça os lideres de cada clã aqui presente tem a lhe dizer. – Falou um jovem extremamente sedutor, que chamava a atenção de quem o olhasse.
_ Esqueça tudo que leu ou ouviu sobre vampiros no decorrer de seus anos como caçadora. – Disse um senhor de voz pesada ao fundo da sala, que carregava consigo uma bengala com a ponta prateada com uma insígnia esculpida nela, parecia um brasão de família. O deixei falar - Tudo aquilo é engodo de fantasias humanas.
_ Mas minhas armas vêm funcionando muito bem durante esses anos. – Disse orgulhosa dos meus feitos.
_ Para vampiros de castas inferiores que não possuem o sangue de Cain em suas veias, sim. Esses vampiros não possuem nenhuma disciplina ou compromisso com a Mascara.
_ Mascara? Que Mascara?
_ Mascara é como são chamados os disfarces que os vampiros usam pra circular em sua sociedade – Disse Michael a mim em tom baixo sendo logo repreendido pelo velho.
_ Quieto os dois. Vocês terão muito tempo pra aprender as tradições vampíricas juntos. – voltou a prosseguir com o seu discurso – Esses vampiros durante anos vieram se rebelando contra nós e nos causando muitos problemas, quase extinguiram um Clã inteiro por desobediência na santa inquisição. Não queremos outra caça as bruxas sangrentas, como a que aconteceu na idade media. Por isso estamos aqui nos expondo a você para por um fim nessa ameaça que nos assola. – Completou o velhote.
_ Buffy a situação é muito seria, tão seria que todos esses anciões estão quebrando a segunda tradição vampírica pra resolver isso.
_ Que tradição é essa?
_ Jamais revele sua natureza a quem não for do seu sangue. Aquele que o fizer terá como punição a morte.
_ Realmente a mascara que vocês criaram são perfeitas, nunca ouvi falar em uma sociedade secreta/paralela como queira antes em minha vida.
_ E nunca era pra saber. Porem foi necessário, se nossos anciões morrerem toda nossa raça estará perdida e os humanos também. Entende o tamanho dos nossos problemas minha cara?
_ Entendo perfeitamente, mas o que querem que eu faça exatamente? Digo o vou fazer nessa situação.
_ Ora minha querida o que você faz de melhor. MATAR VAMPIRO. – Proferiu ele de forma assustadora – O nosso contato com você... – Apontando para Michael - Irá lhe ensinar um pouco sobre nós e com quem estamos lidando.
O velho saiu da sala como entrou, sem deixar vestígio. Tudo que precisava saber sobre essa tal sociedade que se revelava diante de mim, era Michael quem ia me dizer, ou melhor, me ensinar. Não sei se estava tomando a decisão correta de embarcar em tudo aquilo, mas de uma coisa eu tinha certeza de uma forma ou de outra eu tinha que agir, só não sabia como. Assim que os outros se retiraram nos deixando a “sós”, finalmente pude conversar com o meu mais novo amigo ilustre.
_ Bom! Acho que ganhei uma pupila humana – Disparou ele com um sorriso no rosto.
_ Me responde uma coisa?
_ O que quiser.
_ Porque você?
_ Porque eu o que?
_ Porque você veio me abordar na rua essa noite e não um deles?
_ Vai por mim. Se um deles te aborda-se na rua essa noite, nós não estaríamos tendo essa conversa agora.
_ Isso foi animador.
_ Eu sei. Todos os vampiros que estão aqui são vampiros com mais de 1000 anos, alguns ate dos primórdios dos tempos. São tão poderosos que antes mesmo de você pensar em reagir ou ate mesmo puxar suas armas como fez comigo no beco, você já estaria morta. Acredite você não vai querer lutar com um vampiro de 3ª ou 4ª geração, é suicídio ate pra mim.
_ Geração? Como assim geração? – Esse astro pop tem muito a me explicar a se tem.
_ Calmo ai mocinha, em breve eu te explico tudo sobre as gerações de vampiros e historias deles. Até lá vá pra casa tente dormir um pouco, que ao final do dia nos encontraremos de novo. Hoje você terá novos moradores na cidade e precisara dar as boas vindas a eles.
_ Moradores? Estão chegando mais?
_ A noite saberá. Deixarei avisado na recepção que você virá depois das 18hs, seja uma boa anfitriã e não se atrase.
Fui praticamente posta pra fora da suíte. Concordo que precisava descansar e refletir sobre o que está acontecendo agora. Já eram mais de seis horas da manhã quando sai do hotel, estava pregada e praticamente apaguei na minha cama. Dessa vez eu iria faltar no meu trabalho não por quere, mas por cansaço mesmo. Mas o meu sono de beleza fui interrompido com o toque enjoado do meu celular, ao olhar no visor um numero desconhecido, mesmo assim atende.
_ Alô! – voz de sono.
_ Acorda caçadora, você está atrasada para receber seus convidados. – Disse aquela voz conhecida de ontem a noite.
_ Michael!
_ Isso mesmo sou eu. Anda logo estou te esperando aqui em baixo na cozinha. Eu fiz o seu café.
_ Como você entrou na minha casa? – Espanto perdendo totalmente o sono.
_ Desça que eu te explico tudo. – Desligando o telefone.
Se essa historia estava mal explicada, e se eu já tinha antes agora então estava cheia. Me arrumei o mais rápido que pude e desci me dirigindo ate a cozinha. Ao chegar lá me deparei com Michael sentado como um lorde a mesa, que estava posta para mim. Ao entrar no ressinto fui logo disparando:
_ Como você conseguiu entrar sem ser convidado?
_ Ah! Aquela regra de só entrar se for convidado, coisa de ralé.
_ Não respondeu a minha pergunta.
_ Você pergunta de mais.
_ E você responde de menos.
_ Tome seu dejejum que estamos atrasados.
_ Está bom, mas não pense que irá fugir de mim senhor Jackson. Quero as minhas respostas.
_ E você as terá.
Após o meu dejejum saímos m direção a rodoviária. Nunca vi tanto vampiro chegando assim na cidade, parecia que o mundo inteiro dos vampiros estava se mudando pra cá. Assustada perguntei a Michael quem eram:
_ Todos eles são vampiros?
_ Todos e de vários Clãs diferentes.
_ Tá e porque logo aqui? E não em outro lugar?
_ Aqui eles estão duplamente protegidos.
_ Como assim duplamente protegidos?
_ Andei pesquisando sobre a cidade e como deve saber Sunnydale é um portal místico entre os mundos magico, espiritual e humano.
_ Isso eu descobri logo no meu primeiro ano de caçadora. O que tem haver?
_ Eu possuo uma rara disciplina que só surge na minha espécie de 300 em 300 anos. E logo que cheguei aqui percebi que o meu dom está ainda mais forte, como comprei uma casa aqui há poucos dias. Isso me torna um príncipe local e qualquer um que estiver nessa cidade que seja um vampiro terá que seguir as minhas ordens.
_ Porque não me contou isso antes?
_ Precisava de sua “permissão” para ficar aqui, entenda apenas comunicando a situação.
_ Então essa minha “permissão” o fez ter livre acesso a minha casa mais cedo?
_ Não. Porque só os enfeitiçado é que precisam de permissão pra entrar nas casas dos humanos, já a minha linhagem que é totalmente pura não possui essa limitação. Posso entrar na sua casa ou de qualquer um aqui a hora que eu quiser sem problemas. Isso ajuda na minha mascara e na dos demais.
_ Isso explica muita coisa, mas não explica a beleza de muitos de você.
_ Como eu disse minha cara, no momento certo eu te explico tudo. Por hora vamos apenas receber nossos convidados, Seja gentil com eles.
_ quais são as suas regras pra eles?
_ Bebam o quanto quiserem, mas sem matar ninguém. Aquele que tirar uma vida sem ordem minha não vivera pra ver outro entardecer.
_ Justo.
_ Por isso que você está aqui comigo, quero que saibam quem é a caçadora aqui e se houver um deslize que for vão ter que se entender com você.
_ Agora eu entendo porque ninguém veio conversar com a gente ainda. – risos.
_ Ai o que queria.
_ Obrigado senhor Jackson por sua gentileza de nos proteger desses delinquentes.
_ O prazer é todo meu, senhora.
_ Essa deve ser a caçadora que nos falou.
_ Sim o nome dela é Buffy, ela vai cuidar da cidade e de vocês também. Estão cientes do que eu lhes passei antes de virem pra cá?
_ Não matará por sangue, sem vitimas fatais? Estamos sim.
_ Creio então que não teremos problemas.
_ Assim esperamos.
A senhora se afastou de nós e então eu quis saber mais dela:
_ Quem é essa senhora tão simpática?
_ Uma Ancialles.
_ Uma o que?
_ Ancialles, é como são chamados os mais velhos dos Clãs. Com mais de 1000 anos.
_ Uai!!! Conservada ela.
_ Deveria saber que vampiros não envelhecem tão rápido quando os humanos.
_ Saber, eu sei. Só que nunca pensei que iria me deparar com um vampiro tão velho algum dia.
_ E de geração baixa também. Essa nobre senhora é uma das poucas que restaram da 2ª geração de Cain, evite problemas com ela. – Advertiu-me – Vamos para minha casa você tem aulas hoje comigo....




Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:32 am, editado 2 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Ter Mar 15, 2016 10:27 am



Capitulo III – Um Pouquinho De Historia.



Quando o ultimo grupo de “visitante” chegou, Michael e eu fomos direto para a sua casa. Confesso que estava louca pra entender tudo o que estava se passando e ouvir essas novas determinações vampíricas que ele tanto falava. Sei que parece loucura e não é nada aconselhável ficar a sós com um vampiro, porem eu tinha que descobrir do que se tratava tudo aquilo e só havia um jeito pra isso.
Assim que chegamos seguimos para uma enorme biblioteca estilo medieval bem rustica, havia mais ou menos uns três andares de estantes abarrotadas de livros e dando acesso a isso tudo uma escada móvel foleada a ouro que de tão polida reluzia sob a luz florescente do lugar:
_ Pouquinho livro você tem heim moço? – Ironizei
_ Andes de ser um vampiros já fui um ser humano que gostava e ainda gosto de ler, agora que tenho todo o tempo do mundo....
_ Já leu todos?
_ Uns 80% deles já pode ter certeza, será que podemos conversar agora? –Apontando para uma poltrona vermelha aparentemente confortável próximo a uma mesa no mesmo estilo da estante. - Sente-se. – Ordenou e assim o fiz.
_ Ok estrela pop quero respostas agora.
_ Muito bem, vamos pelo começo de tudo. Você conhece a historia de Cain e Abel na bíblia?
_ Sim conheço, o primeiro assassinato da humanidade, mas o que eles têm haver com os vampiros?
_ Tudo. Cain é o pai de todos os vampiros. – A historia ficou interessante – Como você acha que os vampiros apareceram? Do nada? – Fiz sinal para que prosseguisse – Quando Adão e Eva foram tentados pela serpente, ninguém sabia o que viria a seguir muito menos Deus. Lucifer o anjo caído se deitou com Eva que acabou concebendo Cain, seu primogênito, Eva precisava esconder seu erro e então também tornou a se deitar com Adão seu marido. Deus vendo a mentira de Eva e a falsidade de Adão os expulsaram do paraíso, dando assim a inicio a saga da humanidade tendo que comer do seu próprio suor pra sobreviver. Cain nasce e em pouco tempo Eva tem seu irmão Abel, ambos seguem profissões diferentes. Caim torna-se agricultor e Abel Criador de ovelhas. Seguindo os ensinamentos de seus pais, ambos passam a adorar a Deus e fazerem holocaustos ao criador. Abel sempre tirava a melhor ovelha de seu rebanho para oferecer a Deus, enquanto Cain oferecia as frutas que ele encontrava caídas e as vezes podres do seu pomar. Os sacrifícios de seu irmão eram sempre bem vistos por Deus enquanto o de Cain cai em repudio, com o tempo foi-se gerando uma irã tão grande em Cain que em um momento de fúria ele matou Abel.
Deus ao ver o ocorrido mandou três anjos para ter com Cain para que ele se arrependesse de seu crime, o primeiro foi Gabriel que tentou convencer a Cain, como não cedeu então o anjo lhe lançou uma maldição, ele não poderia morrer e viveria para sempre com a marca de seu crime. Deus em sua infinita bondade mandou um segundo anjo Uriel visita-lo para que ele pudesse redimir-se do seu pecado, Cain manteve-se firme em sua decisão então ele recebeu sua segunda maldição, ele não se alimentaria mais de coisas humanas iria sobreviver apenas de sangue, Deus ainda insistiu uma terceira vez com ele mandando Rafael insistindo em sua decisão Cain não cedeu então o anjo jogou-lhe a ultima maldição ele habitaria nas sombras se ocultando da luz do sol que o consumiria are virar cinzas e nada mais lhe restar. Desde então surgiram os vampiros.
_ Ok! Ate ai eu compreendi o nascimento desta “raça.” – Desdém na raça – Mas eu quero saber como você entrou em minha casa sem ser convidado.
_ Gosto de você, muito curiosa, isso é bom não faz qualquer besteira.
_ Dá pra continuar a responder minhas perguntas?
_ Buffy eu tenho todas as respostas que quiser ter, mas terá que ser paciente, são muitas historias pra você absorver assim de uma vez.
_ Você adora fugir da raia não mesmo?
_ Não!! Minha cara, apenas estou sendo pratico – Circulando a mesa – Enquanto estamos aqui de conversa os outros estão correndo perigo.
Sabia que ele estava certo, enquanto perdíamos tempo na biblioteca as coisas estavam se complicando e muito, logo descobriríamos isso da pior maneira possível. Gentil como sempre ele abriu a porta me dando passagem logo a seguindo-me, adentramos pelo mesmo corredor que havíamos tomados para caminho de volta, quando fomos informado que ele estava sendo esperado para uma reunião, Michael fez sinal para que eu o acompanhasse pois era de meu interesse também.
O jovem muito atraente, porem vampiro nos levou ate uma espécie de gruta, onde o mais sensíveis aos males do sol haviam escolhidos pare se refugiar. Não foi surpresa minha ao constatar que Michael não era bem vindo no meio dos seus e logo eu descobriria a razão disso. Ao adentrarmos na caverna uma jovem pouco mais nova do que eu se aproximou tomando-lhe logo a destra. Pareciam que se conheciam bem. A moça o fez parar e proferiu as seguintes palavras:
_ Michael eu espero que esteja preparado para que os Anciões vão fazer lá dentro com você.
_ É tão ruim assim meu anjo?
_ Não se você souber agir corretamente nessa situação, sabia que ninguém ali queria fazer o que vão fazer hoje conosco.
_ O que vão fazer com vocês? – Perguntei me intrometendo na conversa ente eles.
_ Quem é ela?
_ A caçadora que havia lhe falado – Disse Michael visivelmente constrangido por não me apresentar – Anjo essa é Buffy a caça-vampiro que vai nos ajudar nessa batalha.
_ Prazer Buffy e respondendo a sua pergunta – Disse-me seca – Seremos elevados de nível hoje pelos Anciões.
_ Elevados de nível como assim?
_ Você não ensinou nada a ela? – Disparou impaciente.
_ Ensinei Anjo, mas devido a situação não passei tudo de uma vez pra não perdemos tempo desnecessário. Vou contando tudo conforme a necessidade.
_ Ótimo. Melhor assim, os Anciões nos esperam.
Seguimos por dentro de vielas escuras e muitas vezes sombrias não enxergava um palmo na frente do meu nariz e muitas vezes eu precisava de ajuda pra me achar:
_ Pegue minha mão e cuidado onde pisa – Disse a mulher que o acompanhava que praticamente me arrastava pelo caminho.
_ Mais devagar, por favor, estou quase caindo aqui.
_ Você está atrasada - Proferiu ela – Estão a sua espera no salão principal.
Assim que aparecer percebi a cara de alivio de Michael ao me ver:
_ Ate que enfim.
_ Desculpe, mas eu não tenho visão noturna.
_ Está bem espertinha, deixe de tolices e vamos entrar que já estamos atrasados para a reunião.
Michael se escondeu, por assim dizer, em um corredor anterior ao do salão em que os “grandes chefes vampiros” se encontravam. Retomamos nosso caminho e logo fomos avistados por um grandalhão amedrontador de voz grossa que nos abordou:
_ Estão atrasados, sabe que eles não gostam de ficar esperando.
_ Eu sei, mas a mocinha aqui – Apontando pra mim – Se perdeu varias vezes pelo caminho tivemos que ir varias vezes busca-la – Justificou ele.
_ Entrem – Ordenou o Grandão.
Assim que entramos fomos recepcionados por rostos nada amigáveis que surgiram no meio da escuridão densa. A mesma senhora que encontramos na entrada da cidade estava lá, sentada com suas roupas de época que já deixaram de ser moda a séculos a trás. Nos dirigimos ao centro do salão onde havia uma boa acústica e logo fomos abordados por uma voz estremecedora.
_ Estão atrasados senhores.
_ Perdão senhor – Disse ela – Nossa convidada aqui – Apontando pra mim – Se perdeu no trajeto algumas vezes tivemos que voltar para encontra-la. Completou irritada.
_ Poupe-nos de suas explanações desnecessária – Agora sim a velhinha se manifestou firme – Como sabemos o nosso neófito recém-abraçado aqui presente possui um dom que está nos sendo útil a nós de Clãs diferentes. Espero que pelo menos nesses tempos difíceis consigamos viver em paz ate que essa tempestade passe. – Iniciou o discurso - Sei que pra muitos não será fácil, mas nossa sobrevivência depende disso, o Sr. Jackson aqui presente nos foi gentil nos oferecendo um abrigo seguro. E estamos agradecidos a ele por isso...
_ Disponham sempre que precisar.
_ Silencio – o repreendeu – Não acabei ainda. Hoje estamos aqui reunidos, alguns concordando e outros não para darmos um voto de confiança ao Sr. Jackson. Pela sua generosidade e pelo seu dom e de sua companheira estou elevando os dois ao nível de príncipes Cainitas. Quero Deixar Claro uma condição aqui, se falharem os dois serão destruído sem segunda chance ou redimissão. Fui clara?
_ Clara como agua.
_ Quanto a caçadora....
_ Buffy meu nome é Buffy – Interrompi sendo logo repreendida pelo Michael.
_ Quanto a caçadora que está em nosso meio hoje, se houver algum tipo de falha em nossa proteção terá o mesmo fim que o Sr. Jackson caso o mesmo falhe conosco. – Sentenciou a senhora.
_ Madame Tussauds prometo que não decepcionarei nenhum do presente aqui – iniciou o discurso – Sei que não faz nem um ano que fui abraçado e venho descobrindo os meu dons conforme vão aparecendo....
_ Essa é aquela famosa modelista de esculturas em cera? – Perguntei surrando sendo ouvida por ela de onde estava.
_ Sim senhorita Buffy sou a própria criadora do museu que leva o meu nome. – esbravejou na sala. – Prossiga senhor Jackson.
_ Estou ciente que posso cometer erros e cuidarei para que esses erros não prejudiquem ninguém aqui presente.
_ Assim esperamos.
Após sermos informados de nossa situação, fomos surpreendido com um jovem vampiro correndo em disparada porta a dentro do ressinto. Seus olhos expressavam horror e medo misturados, ele caiu prostrado diante de Michael que logo se abaixou para poder ouvir o que ele dizia.
_ O que houve?
_ Senhor o anarquistas atacaram a casa onde os membros da Camarilla estavam hospedados. – dizia com dificuldade, eu não consegui identificar ferimento aparente nenhum nele.
_ Quantos eram? Diga-me – Sacodia o rapaz com desespero.
_ Não sei senhor, só sei que eram muitos. Chegaram de surpresa, muitos conseguiram escapar, mas outros não.
_ Parece que você já tem trabalho Buffy. – Disse-me Michael com um olhar incrivelmente cor de fogo - E eu também.
_ O que pretende fazer Michael? – Interrogou a mulher que ainda não sei o nome.
_ Chame Andrei, precisamos dele pra montar uma proteção contra esses invasores.
_ Mas que tipo de proteção? – Essa curiosidade me mata ainda.
_ Espere Buffy e verás com seus próprios olhos.




Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:33 am, editado 2 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Ter Mar 15, 2016 11:09 am


Capitulo IV – Anarquistas A ApariçãoFfatal.




Um dos jovens que assistiam a reunião saiu em disparada para chamar o tal do Andrei, este logo chegou com um ar de superioridade que me causou medo. Embora extremamente sexy em seu modelito preto completamente apertado parecia que queria chamar atenção de alguém e não era a minha ali:
_ Andrei precisamos forma uma barreira contra os anarquistas agora.
_ Eu estava na praça quando viu um tumulto, quatro Ancialles foram mortos não deu tempo pra mim impedi-los.
_ Que droga. Conseguiu ver quem eram?
_ Fiz melhor. – Abrindo caminho para um jovem enlouquecido preso por outros três. – Consegui pegar esse aqui.
_ Poderíamos ver o que ele sabe. – Disse eu ingenuamente.
_ Eu tentei, mas ele não fala nada. – Respondeu o loirinho – Só que o Michael sabe como ele pode nos contar sem precisar falar
_ Me dá o braço dele.
_ Eu não vou falar, me larguem, eu não vou falar – Gritava desesperado, sem sucesso, um dos grandalhões segurou o braço na frente de Michael, que em questão de segundo ganhou um tom alaranjado nos olhos muito brilhante. É ate sedutor eu diria, porém assustador. Segurando firmo o braço do rapaz notei pequenas gotículas de sangue começou a brotar do local que ele segurava. Os gritos eram evidentes.
As gotículas que circulavam soltas no ar foram parar direto nos lábios de Michael, que logo conseguiu identificar a os intrusos:
_ Ainda há três invasores entre nós – Disse ele serio com os olhos vermelho como fogo.
_ Devemos caça-los?
_ Não. Anjo e Andrei eu preciso da energia de vocês. – Dois se aproximaram dele e cortaram os próprios punhos que sangraram fortemente. O corpo de Michael passou a ter um brilho super intenso emergindo lavaredas de fogo. O calor emitido por ele pareciam chegar a mais de 1000 graus de temperatura. – Agora sim, os intrusos não sobreviveram. Os que ficarem serão consumidos e os que tentarem entrar.....
_ Uau isso é bem eficaz, mas e o fato de que a regra do sem convite não entra?
_ Nesse caso a Aurora é quem vai permitir a entrada Buffy. Todos que estão aqui que vieram sob o meu chamado estão marcados com a Aurora, os habitantes que já viviam aqui ou que trabalham fora e que por ventura chamar algum parente ou amigo para cá também. Mas aqueles que não se enquadram serão consumidos, ninguém vai entrar aqui sem ser bem vindo. Mas ate chegar nos intrusos por completo pode demorar um pouco.
_ Quer dizer que...?
_ Devemos redobrar nossa segurança ate que a Aurora atinja toda a cidade.
_ Muito bem homens ouviram o Michael, vão montar guarda rápido. – ordenou a Angel indo se juntar aos demais.
_ Andreí.
_ Sim Michael – Respondeu o homem loiro frio como gelo.
_ Estou ciente que você não gosta de mim, mas sabe que quero que cuide dela. – observou ele.
_ Sim, eu sei. – Disse Angel emburrada.
_ Então leve a Buffy com você, ela será um reforço para nós.
_ Anda logo caçadora, não me faça perder mais tempo.
Pelo que notei ate no meio dos vampiros as mulheres são disputada, e com esses três já vi que não era diferente. Com o tempo iriei me informa sobre essa disputa interna, por hora deixo-me ser levada pelo loiro serio para por assim dizer campo de batalha. As coisas iriam esquentar bastante nesse meio tempo.
_ Anarquistas – Era o que se ouvia ao longe – Anarquistas, Anarquistas.
Vários vampiros correram de encontro ao senhor que se arrastava de uma das casas, sua garganta estava com um corte profundo que jorrava sangue. Mesmo assim ele conseguiu correr e avisar os demais do que estava acontecendo.
_ O que aconteceu?
_ Eles querem o primogênito.
_ Quem é esse primogênito – Indaguei
_ O que eles querem com ele?
_ Mata-lo.
_ Onde eles estão?
_ Na casa principal.
_ Você cuide dele – Ordenou a um dos que estavam por perto – Os demais venha comigo, todos pra casa principal. Protejam o Mestre.
Saímos todos o mais rapidamente possível para casa onde estavam hospedados os Anciões. Ao chegarmos ao recinto dos Anciões havia uma verdadeira carnificina no lugar, manchas de sangue e muito pó que logo eram espalhados e levados pelo vento no lugar. Haviam vários rapazes estranhos rindo debochadamente dos seus feitos como se estivessem viciados. Eles eram rápidos, nunca vi vampiros tão velozes quanto esses, mas eu também era. Comecei a ataca-lo com chutes e socos rápidos a cada invertida minha era habilmente revidada por eles, consegui revidar uns dos golpes usando a parede como ponto de escalada me pondo a suas costas. Logo fui pega por trás por um outro que não notei antes em um abraço de urso forte e esmagador. Com uma cotovelada certeira consegui que ele me soltasse e sem perda de tempo consegui com um chute certeiro acerta na parte mais dolorida que possa existe seja ele humano ou vampiro. Saquei dos meus instrumentos velhos de batalha e fui de encontro a um deles:
_ Ela vai se matar desse jeito – Foi o que eu ouvir daquela estrela pop arrogante as minhas costas.
_ Então me ajuda aqui – Exclamei e em questão de segundos os vi presos por uma espécie de campo de força. Aproveitei a chance e os golpeei com a minha estaca e só esperei eles morrem, mas estranhamente nada aconteceu eles apenas ficaram imóveis. Vendo o meu espanto com o ocorrido Michael veio ate mim a passos lentos admirando a lamina de uma espada:
_ Quer realmente mata-los? Indagou-me sem troca olhares comigo.
_ Obviamente é pra isso que estou aqui.
_ Estão corte as cabeças deles fora – Me entregando o instrumento – Estacas não vão funcionar aqui. Só a luz do sol, mas aqui nessa galeria será impossível dela chegar.
_ Esse seu ar de superioridade me da nos nervos sabia? – Tomei a espada de suas mãos e cortei um a um suas cabeças e o que eu já estava acostumada a ver aconteceu. – É assim que eu gosto de ver – Soltei contente.
_ Não se gabe por muito tempo querida isso esta apenas começando. – Disse a arrogante da Angel cortando meu barato.
_ Vamos ver o que aconteceu com os Ancialles. - Instaurando uma verdadeira correria - Procurem todos
_ Eu vou atrás dele Michael – Me olhando de esgueira.
_ Vá logo Angel, cuide-se, por favor. – Ela se afastou sem antes deixar um terno olhar pra ele era obvio que ela o amava e ele a ela também.
_ Acho que ela me odeia. – Comentei ao vê-la sair
_ Não esquenta com ela, ela apenas não confia em caçadores.
_ Alias todos aqui me odeiam.
_ Buffy as suas antecessoras em séculos passados fizeram um verdadeiro massacre com varias gerações de vampiros, é justo eles receberem com toda honra e gloria aquela que os quer destruir? – Disparou ele serio e saindo como se nada tivesse acontecido.
Esse cara devia ser filosofo ou coisa parecida, nunca vi ninguém ter tanta razão em pouco tempo. É ate compreensível o fato deles não me quererem por perto, mas era fato que um precisava do outro, mais ou menos aquela o inimigo do meu inimigo é meu amigo. Me mantive calada enquanto vasculhávamos o lugar e constatar as possíveis baixas. O local parecia que estava vazio em pouco tempo começamos a ouvir gritos e ao corrermos em direção víamos um vampiro sendo consumido por uma chama alaranjada, meu instinto era de golpeá-lo, mas Michael me impediu:
_ Pare!!! – Advertiu pondo a mão a minha frente – A Aurora chegou ate aqui não o toque ou vai se queimar feio.
_ O que está acontecendo? Foi aquele feitiço? – Perguntei olhando o serio.
_ Se é assim que você quer chamar que seja.
_ Grosso. Como você consegue ser tão doce e tão chato ao mesmo tempo?
_ Anos praticando – Disse seco - Seja Michael Jackson por uma semana e depois você me refaça essa pergunta.
Não conheço a vida dele, mas pelo tom que ele usou já deu pra notar que não era nada fácil. A cada porta que abrimos tinha ou poeira de algum vampiro velho morto, ou um Anarquista em chamas. Confesso que era estranho ver essa cena, mas ao mesmo tempo gratificante.
_ Encontrou mais alguém? – Disse ele aliviado ao ver Angel no final do corredor.
_ Ninguém. Todos que encontramos foram pegos pela Aurora.
_ Maravilha. E ele?
_ Está bem protegido, ele foi o primeiro que a Aurora alcançou.
_ Ótimo e as baixas?
_ Graças a Deus esse eram muito idiotas não conseguiram pegar muitos. Apena quarto príncipes e uma Anciã foi pega, os outros eram mais fracos em gerações.
_ Quem foi Anciã?
_ Senhora Anet D’boar.
_ Não me lembro dela – Disse Michael pensativo
_ Não tinha como se lembrar, ela iria se apresentar a você logo mais a noite em um jantar oferecido por ela mesma. - Completou Angel
_ Lamentável isso.
_ E como. Ela tinha mais de 7 séculos de vida, ela foi uma das rainhas egípcias da primícias do império.
_ Menininha está bem informada heim – ironizei a situação.
_ Buffy – Tom de repreensão
_ Desculpe. Prossiga.
_ Como dizia, ela mudou de nome no decorrer dos séculos ninguém sabia exatamente seu nome verdadeiro.
_ Vamos cuidar pra que mais nenhum Ancião seja pego.
_ Tudo bem, estarei na ronda qualquer coisa me chame. – Angel se afastou sensualmente parecia querer manda um recado para Michael. Logo notei que ele havia ficado ruborizado com a situação, mas mantive-me na minha já tinha problemas de mais por um dia só.
_ Buffy vá pra casa e descanse retomaremos as aulas assim que o dia clarear.
_ Não eu quero ajudar na ronda.
_ Não você é humana ainda não vai aguentar muito tempo no nosso ritmo, vá pra casa e descanse. Não me force a fazer isso – Mostrando as pressas – Eu ainda não come hoje.
_ Está bem espertinho eu vou, mas não ouse encostar essas presas no meu pescoço. – Esbravejei.
_ Ok no pescoço não pode, o resto do corpo está liberado, vou me lembrar disso quando precisar apagar você.
_ Michael para com a brincadeira eu estou falando serio. – Mostrando uma espada sinal que aprendi a lição direitinho.




Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:35 am, editado 2 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Seg Mar 21, 2016 12:54 pm

Capitulo VMeu Doce Vampiro





_ De olho nela – Ordenou a um dos rapazes que estava junto a ele.
Me dirigi pra casa afim de descansar, um pouco pelo menos, o dia tinha sido pesado e eu estava completamente rendida ao cansaço. Devo confessar foi muitos acontecimentos pra um dia só na cidade. Desabei feito um tijolo, fórum muitas horas de sono como eu jamais tive ou imaginei que teria na vida. Estranhamente dormi bem.
Acordei às nove horas da noite do outro dia - Nossa como eu apaguei tanto assim – Pensei comigo enquanto tentava me levantar ainda com o corpo dolorido não sei do que:
_ Bom dia bela adormecida – Ouvi aquela voz doce ao pé da minha cama – Estava exausta mesmo dormiu por quase 36 horas.
_ O que você fez comigo? - Questionei-o - Como eu dormi tanto assim?
_ Relaxa que a cidade está a salvo, a Aurora tomou conta de tudo. Os que ainda não tinham caído, caíram hoje pela manhã sem muitas baixas novas.
_ E os habitantes e os outros vampiros já existentes?
_ Ah! Esses estão sob controle. Nenhum cidadão será morto sem autorização minha e aquele que o fizer a Aurora vai dar conta dele. Quer café? Acabei de fazer. - Essa doçura dele é que me mata, ele é sempre assim tão doce?
_ Não sabia que você cozinhava.
_ Cozinhava sim, pros meus filhos quando estavam crescendo. Tive que parar depois do acidente, mas é uma longa historia que você não vai ouvir agora. Sua aula é sobre outra coisa e não sobre minha vida.
_ Ok! O que tem pra me contar de tão novo que eu ainda não sei.
_ Pouca coisa, mas de grande relevância. – Fiz sinal com a cabeça para que prosseguisse com seu discurso – Nunca, jamais desafie um vampiro de geração alta, você não vai sobreviver.
_ Eu aguento Michael.
_ Não, não aguenta Buffy. Sei do que estou falando e espero que você não seja tão burra a ponto de desafiar um.
_ Assim você me ofende Michael. – Protestei – Eu sei lutar e me cuida. Além do mais você me ensinou como matar um vampiro mais eficazmente.
_ Você sabe qual é a minha geração Buffy? O meu nível de força? Não é porque você enfrentou meia dúzia de vampiro pé de chinelo que isso te torna a grande caçadora de vampiro.
_ Eu enfrento qualquer um que se levantar contra mim e essa cidade.
_ Será mesmo?
_ Que apostar?
Não sei como aconteceu, mas eu senti como se o chão estivesse fugindo dos meus pés. Michael permanecia parado me olhando degustando um pedaço de torrada com manteiga. Fui levantada do ar com uma lufada de vento que me arremessou longe, me fazendo ir de encontro a parede, minhas costas doeram pra caramba. Não sei da onde vinha aquele ataque, mas o fato é que eu estava levando a pior. Senti como se uma fera selvagem estive rasgando os meus braços, eu via minha pele abri em quatro linhas paralelas profundas expondo meus músculos e ossos lavando o chão de sangue. Eu me debatia tentando gritar por ajuda ou por Michael que se quer me olhava enquanto não sei o que praticamente me torturava sem pena. A única coisa que fez o fez mexer de seu posto foi uma leve tosse que por puro encanto fez tudo aquilo parar. Sem muita força pra me manter de pé, desabei no chão procurando um ponto de apoio pra me manter olhando para ele, que agora me olhava fixo e muito serio. Michael se levantou da cadeira e caminhou lentamente como se estivesse desfilando pra uma multidão de súditos fieis, veio em minha direção e então se debruçou sobre mim, levando suas mãos aos meus ombros me forçado a ficar sentada no chão encostada na parede, enquanto sentia minha vida se esvaindo pelos meus ferimento. Com um sarcasmo sem tamanho ele soltou:
_ Você nem sabe a minha geração e quer enfrentar vampiros mais velhos, mais experientes e de altas gerações. Não acha que é suicídio? E olha que eu só imaginei tudo isso que você sofreu agora.
_ Então foi você foi que me atacou?
_ Ahamm! E eu não usei nem um por cento dos meus dons. – Enquanto levantava meu braço em direção ao se rosto. – Pretende ouvir o meu conselho agora ou quer conhecer o céu mais cedo que o previsto? Os outros vampiros não serão tão bonzinho quanto eu fui com você.
_ Vai me deixar morrer aqui?
_ Não, precisamos de você – Segurando em cima do meu ferimento que começou a esquentar muito – Prefiro te ter como aliada do que como inimiga, mas você precisa ser esperta pra sobreviver a essa guerra Buffy. Por isso estou aqui.
_ Entendi o seu recado – Puxando o meu braço que queimava feito fogo, mas estava quase curado.
_ Boa menina. Descanse que logo mais a noite eu volto pra te dar uma longa aula de gerações. – Observou ele se levantando e caminhando em direção a porta – Ate a noite não terá mais nenhum vestígio de nosso pequeno papo em seu corpo, durma e até mais.
Sabia que Michael tinha um mistério a ser desvendado, mas qual seria? Aquele poder dele era novidade pra mim que nunca havia enfrentado vampiros nesse nível antes. Confesso que dormir foi complicado meu corpo doía muito, tentei encontra a posição mais confortável que deu e apaguei literalmente. Não sei por quanto tempo eu fiquei desacordada, acho que dormi direto. Dormi tanto que fui acordada pelo próprio de pé ao lado da minha cama, com uma enorme bandeja nas mãos com alguns biscoitos doce, leite e mel.
_ Ok. Mocinha você já dormiu demais por hoje, hora de levantar. – Pondo a bandeja no criado mudo ao lado da minha cama.
_ Não precisaria dormi tanto se você não tivesse me dado uma surra mais cedo – Resmunguei me virado de costa pra ele.
_ Ok. – suspirou pesado – Já que você quer do seu jeito, então lavamos nós.
Não entendi o que ele quis dizer com essa frase, não ate tudo acontecer de uma maneira que estou tentando entender ate o presente momento. Senti uma lufada de vento passando por baixo dos meus pés e em poucos segundo eu estava voando da minha cama, dando um mortal carpado no ar e indo parar sentada em uma poltrona a sua frente com a bandeja em meu colo sem derruba absolutamente nada. Enquanto isso eu era recebida com um largo sorriso.
_ Que bom que você veio se juntar a mim nessa nossa aula de gerações.
_ O que aconteceu aqui? – olhando confusa pra onde eu estava.
_ O leite está muito frio se quiser eu posso esquentar pra você? Não? – Ignorando minha pergunta – Então vamos começar.
_ Já que não tenho escolha – Tomando um gole de leite morno.
_ Buffy pela demonstração que eu lhe dei hoje pela manhã acho que já deu pra notar que o assunto é mais complexo do que você imagina.
Assenti com a cabeça.
_ Quando Cain foi amaldiçoado ele criou a primeira geração de vampiros diretamente ligada a ele, enquanto vagava no deserto ele encontrou a primeira mulher de adão que se rebelou contra ele e com ela aprendeu alguns dons, com a velha Crona ele aprendeu a abraçar e o laço de sangue. Tudo foi passado para os seus três “filhos.” Esses filhos também abraçaram outros e sucessivamente ate que a geração três os matassem e então Cain proibiu o abraço de novos Vampiros se autorização ou por motivos especiais.
_ E o que aconteceu com os outros vampiros?
_ Alguns foram mortos e outros conseguiram fugir. Os que conseguiram fugir formaram uma sociedade, Cain desapareceu por séculos. Muitos achavam que ele tinha sido morto, ate que o meu clã o encontrou adormecido em uma caverna nos interior de um vulcão na índia. Eles o ofereceram abrigo, sangue e proteção. Ele aceitou e desde então o escondemos dos demais Clãs.
_ Qual a sua geração então?
_ Não vem ao caso agora. Em breve lhe contarei com prazer. Por hora você deve saber que muitos vampiros descentes da primeira geração de Cain estão vivos e são muito poderosos por carregar uma grande quantidade de Sangue do criador. Não tente o suicídio tentando mata-los ou o que eu fiz com você hoje será fichinha perto do que eles podem fazer.
Confesso que fiquei com medo agora Michael estava serio e isso me preocupava muito.
_ Buffy não faça besteira ok? Evite um suicídio inútil por pouca coisa.
_ Valeu pelo conselho.
_ Não é conselho. É uma ordem. Vá fazer a ronda com os outros vampiros, depois conversamos, agora eu tenho um assunto importante para tratar com a Angel.
_ Pretende namorar hoje a noite é? – Curiosa.
_ Está com ciúmes dona Buffy? Pois saiba que sou homem de uma mulher só, tente a sorte com o Andrei quem sabe vocês não se entendem. – Bufou ele fechando a porta por trás de si.
Michael é irritantemente sedutor, chato e pra minha infelicidade sabia mais dos vampiros do que o Giles podia imaginar. Pensando nele onde será que ele estava precisava contar a novidade mórbida para ele o mais depressa possível. Voltei ao meu antigo colégio onde ficava a sala do meu antigo professor de historia e instrutor nas artes marciais contra vampiros. Ele ajudou a melhorar meus dons adquiridos como caçadora. Ao adentrar a biblioteca tive uma surpresa incrivelmente irritante.
_ Michael? O que está fazendo aqui?
_ Olá Buffy, que bom que veio nos visitar. - Sentando em uma das cadeiras de couro vermelho no centro da sala com uma xicara de chá nas mãos.
_ Você não disse que iria estar com a Angel? – Desconfiada.
_ Na verdade estou com os dois Angels – Apontando pra o canto esquerdo da sala onde se ocultava um rosto bem conhecido. – Creio já conhece o rapaz pela expressão que fez.
_ Angel! – Surpresa - O que você quer com ele Michael?
_ Na verdade minha querida caçadora é ele que quer algo comigo. Não sei o que pode ser, deixarei vocês a sós para que possam conversar. – Se levantando e indo em direção a porta – Estarei com seu antigo professor conversando sobre os novos fatos, quando terminarem nos chamem.
Ele nos deixou a sós e então pude conversar com aquele que o meu coração pertencia, ele se aproximou tímido, cabisbaixo como que com vergonha do que estava acontecendo.
_ Olá Buffy. Quanto tempo não é?
_ O que você quer com ele Angel? O que o Michael tem a oferecer a você?
_ Você Buffy. Ele tem a você e eu quero ajuda-la a sobreviver.
_ Eu sei me virar sozinha e você sabe disso.
_ Não é isso que o Michael acha, ele pensa que você pode se matar nessa confusão toda. E eu não quero te perder.
_ Não sou criança Angel pra vocês mandarem na minha vida assim.
_ Nós só queremos o seu bem Buffy. Entenda que as coisas mudaram agora, não são, mas simples vampiros drogados ou revoltados com a vida que você está enfrentando agora. Se antes me achava um demônio que precisava ser extinto e eles o que são afinal? Ouça o que o Michael tem a dizer, confie nele.
_ E se eu não confiar?
_ Vou sentir muito a sua morte Buffy, mas do que senti quando nos separamos. Ainda amo você desesperadamente e eu faria tudo pra ficarmos juntos você sabe disso não sabe? – Se aproximando a passos lentos de mim.
_ Vá embora Angel. – Virando-me costas pra não encarar seu olhar triste. Não quero te ver de novo. Eu sei me virar sozinha não preciso dos seus conselhos.
_ Você é quem sabe Buffy – cabisbaixo com as duas mãos nos bolsos – Mas se precisar de mim sabe onde me encontrar, estarei do lado de Michael nessa batalha, basta só me chamar que eu virei ate você.
_ Não vou precisar de você – Disse ríspida. - Vou embora o que eu tenho pra tratar com Giles, tratarei outro dia.
_ Por que você dificulta tanto as coisas Buffy? – sussurrou baixinho ao longe.
_ Porque você tinha que ser um vampiro Angel? Porque? – Disse em meus pensamentos.
Não sabia o que Michael poderia fazer com Angel e tinha medo do que iria acontecer se o fizesse. Mas agora não era momento pra preocupações sem fundamento, precisava me recuperar e digerir tudo o que aquele astro tinha despejado em cima de mim em tão pouco tempo. O café da manha que Michael havia preparado pra mim ainda estava na mesa, o esquentei e devorei enquanto tentava digerir a situação toda, como eu não sabia. Mas iria descobrir em breve.




Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:36 am, editado 1 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Seg Mar 21, 2016 12:59 pm


Capitulo VI Soluções Difíceis pra Situações tão Fáceis



Recebi uma visita que pouco me animou, sei que seria uma conversa difícil, porém necessária:
_ Posso entrar Buffy?
_ O que você está fazendo aqui Angel?
_ Preciso conversar com você sobre o Michael.
_ O que é tão importante Angel? O que ele tem a te oferecer que você tanto quer?
_ Liberdade.
_ Pra que?
_ Ficar com você Buffy o que mais seria?
_ Angel hora de ir embora, nossa historia morreu há muito tempo.
_ Não morreu pra mim Buffy.
Ele cruzou a porta sem maiores explicações eu sabia que algo iria acontecer com ele mais não sabia o que era, depois de me recompor tentei pensar em uma estratégia para proteger meu lar. A cidade não é tão segura assim quanto eu imaginava com esses novos fatos a vida em Sunnydale se tornou estranha. Porem Michael ainda tinha muito a me contar e as aulas não terminariam ai. E as minhas visitas noturna e ate diurnas estava apenas começando:
_ Olha só o vampirinho resolveu usar a porta dessa vez. – Ironizei a situação - O que o trás aqui?
_ Deixa de gracinha mocinha, você está acordada agora não preciso entrar escondido. Pelo menos não hoje e ainda temos algumas aulas pra te dar antes que se mate.
_ Engraçadinho.
_ Hoje a nossa aula será sobre aparências e feitiços.
_ Tá! E o que eu devo saber.
_ Há muitos anos os vampiros tinham livre acesso as casas de suas vitimas, ate que a filha de um pajé africano foi “morta” por um vampiro. Como forma dele se vingar dos que os atacaram ele lançou um feitiço sobre uma geração inteira. Vampiros de gerações mais baixas tendem a se deformar quando descem suas presas, mostrando os demônios reais que são.
_ E quanto a pedir permissão pra entrar nas casas? Porque você pode entrar sem ser convidado?
_ Faz parte do feitiço Buffy, o pajé só conseguiu sangue de um vampiro de uma geração especifica. Se fosse de todas as gerações ou de gerações mais altas todos teriam sido afetados por essa regra de gentileza. Porem o pajé esqueceu de um detalhe, seu feitiço foi fraco em um determinado ponto, permitindo que fosse quebrado com um segundo abraço nas gerações mais baixas afetadas pelo feitiço.
_ Então é por isso que o Angel quer que você o ajude?
_ Não. Ele quer que eu o transforme em humano de novo.
_ Mas.... Mas como isso é possível? Pensei que fosse definitivo a transformação pra vampiro.
_ Seria, se o feiticeiro que adormeceu a fera dentro dele não tivesse posto um efeito colateral em seu feitiço. Se o Angel for abraçado por um vampiro que tenha um dom raro ele volta a ser humano.
_ E você tem esse dom?
_ Exatamente. Mas não apenas eu. Andrei e a minha Angel também.
_ Quanto mistério esse mundo.
_ Eu disse que tinha muita coisa pra aprender e que você não sabia nada sobre nosso mundo. Antes que eu me esqueça – Retirando uma vidrinho do bolso e me oferecendo – Use isso aqui.
_ O que é isso?
_ Verbena.
_ Verbena? E pra que serve isso?
_ Sim. Ela serve pra repelir vampiros, ela impede que nós usemos nossos dons e que nos alimentemos de quem a usa.
_ Uau. Não sabia disso.
_ Quem diria heim dona Buffy. Como caçadora deveria conhecer e testar todas as lendas sobre vampiros e principalmente as ervas que nos repelem. Pode salvar sua vida.
_ Valeu pela informação gênio.
_ Conversa está boa, mas eu tenho um servicinho ali pra resolver. Me acompanha?
_ Que servicinho Michael?
_ Você verá minha querida.
Avançamos noite a fora, era estranho andar a noite com um mega astro sem ninguém a minha volta o reconhecer fiquei intrigada e resolve questiona-lo:
_ Porque que as pessoas não te reconhecem Michael?
_ Não assiste TV não Buffy? Eu morri faz alguns meses.
_ Mas seu rosto é conhecido e como você ninguém te nota aqui. – Apontando pras pessoas ao meu redor.
_ Simples. – Apontando para seu reflexo na janela, onde acabo me deparando com uma loira misteriosa ao meu lado efetuando o mesmo gesto que ele. – Apenas você e os vampiros me veem na minha forma real. Beneficio do meu dom. agora eu tenho que viver escondido ate que o mundo me esqueça.
_ E quanto tempo isso vai durar?
_ Não sei, cinco, dez anos. O tempo que for necessário eu tenho a eternidade pra esperar.
_ E a sua família sabe dessa nova fase de sua vida?
_ Sabem e pretendem me ajudar com esse segredo ate quando não puderem ou quando decidirem serem abraçados. – Me puxando a caminhar – vamos demoramos muito na sua casa logo vai amanhecer.
Nossa caminhada pelas ruas de Sunnydale nos levou ate o final da cidade onde uma barreira invisível delimitava a entrada dos vampiros que estava lá. O clima estava pesado, alguns anarquistas estavam tentando romper o bloqueio que o tal dom do Michael criou e estavam perecendo por conta disso.
_ Ok chegamos o que você quer que eu faça?
_ Vá lá fora e mate o máximo deles que puder. – Apontando pra uma horda de vampiros mal encarados se escondendo dentro de veiculo suspeito o sol já estava nascendo.
_ Você está brincando? - Resmunguei
_ Não estou não, eu falo serio. – Se virando e afastando de mim. – Está com medo do que Buffy? Você da conta que eu sei.
_ Já viu o tanto de vampiro que tem lá fora?
_ Leve uns dos meninos com você. Ah mais uma coisinha. – Me fitando ao longe – Vê se não se mata ok?
_ Vê se não se mata ok? – O remedei – Vai ser difícil com esse monte de vampiro ai fora.
_ Aproveite o sol a seu favor.
Senti que as coisas iriam se complicar e muito pro meu lado. O ar de desdém do Michael me irritava ao extremo, ao ponto de me fazer querer fincar uma estaca em seu peito. Comecei a minha batalha pra eliminar o máximo de vampiros que eu podia abria a porta dos carros e os degolava um a um, os jogava pra fora dos veículos para o sol os consumissem, tudo ia muito bem. Quando olho pra trás em busca de um auxilio mesmo que de longe vejo Michael conversando com... Angel? O que ele faz aqui?
_ Michael porque a cidade está com o sol encoberto? – Observou – Vampiros não podem sair a luz do dia, como consegue?
_ Eu sei. Criei um escudo protetor para que nesses primeiros dias possamos passar despercebidos. Seria estranho a cidade ver chegar um monte de ônibus altas horas da noite e ninguém circulando na cidade durante o dia não acha?
_ Claro, não queremos levantar suspeitas desnecessárias.
_ Já decidiu o que vai fazer?
_ Sua proposta é tentadora. Mas eu quero garantias Michael não quero me arriscar em vão. – Argumentou.
_ Não há garantias Angel. É uma via sem volta, o feiticeiro te jogou um feitiço muito forte, assim como o feiticeiro primordial o fez com os demais vampiros. Nunca ninguém quebrou-os, você será o primeiro, é tudo ou nada. Estou torcendo pra que de tudo certo.
_ É um risco muito grande a se correr.
_ Se for por amor acho que vale a pena não acha? – Voltando o olhar pra mim do lado de fora da proteção.
_ Preciso ajuda-la.
_ Calma aí pombinho – Segurando o braço de Angel – A proteção do sol tem um limite e ela está fora dele, quer mesmo ir lá? – Apontando pro sol a pino – Sem a minha oferta você será mais um problema pra ela do que ajudar, quer mesmo se arriscar assim?
_ Ela precisa de ajuda.
_ Jason e Jonny ficaram de prontidão caso ela precise, venha comigo. – Fazendo sinal pros rapazes irem ate ela.
_ Venha comigo Angel tenho um pedido a lhe fazer. – dando uma ultima olhada pra trás – Vão logo vocês estão protegidos pela aurora enquanto elas precisarem de vocês. – Ordenando aos rapazes.
Os dois seguiram em direção a casa onde Michael estava digamos assim escondido com os demais vampiros. Não sei qual era a razão dessas reuniões secretas deles, mas isso iria me render um aliado muito poderoso, continuei a minha investida contra aquela horda de vampiro camuflados na entrada da cidade. Enquanto o dia ia alto para mim estava tudo bem, de certa forma estava protegida em baixo do sol escaldante. As coisas se desenvolviam muito bem, mas porem uma péssima surpresa em aguardava.
Observei uma movimentação estranha ao longe da estrada, intrigada resolvi investigar. Foi a pior burrice que eu poderia ter feito, levei os dois vampiros que Michael havia mandado me ajudar como guarda-costas. Sai da estrada principal adentrando seguindo por uma trilha escondida no meio do mato. As folhas das arvores que estavam muito juntas formando uma barreira que impediam que a luz do sol ultrapassasse, formando assim uma proteção perfeita para os vampiros e que a idiota aqui não percebeu que estava sendo atraída para uma armadilha ate ser tarde de mais.
A trilha dava em uma caverna escura e profunda ao me aproximar da entrada fui surpreendida por uns vampiros escondidos em um dos lados. Tentei me defender da surpresa, mas recebi uma pancada na cabeça que não sei de onde veio. Os dois rapazes que estavam comigo um pouco mais afastados voltaram o mais rápido que puderam pra cidade em busca de Michael ou Angel assim que perceberam a minha falta. A partir daquele momento minha vida estava correndo serio risco. Nunca pensei que esse negocio de vampiro como guarda costas iria me ser tão útil, ao perceberem que eu havia sumido da vistas deles, os dois que me seguiam retornaram para a cidade avisando seu mestre.
Aqueles dois se mostram bem eficientes. Enquanto eu era arrastada para o interior da caverna inconsciente eles cumpriram bem a missão que Michael lhes deu, bom pelo menos em parte. Com as habilidades deles logo chegaram ao esconderijo defendido a ferro e fogo de Michael em questão de minutos, Angel que estava lá e não gostou nem um pouco do que estava acontecendo. Os preparativos para a enfim mudança de vida do meu Angel iria ter que esperar mais um pouco antes de acontecer, tanto ele quanto Michael estavam esperançosos para que tudo não fosse em vão.


[/b]
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Ter Mar 22, 2016 9:02 am


Capitulo VIIConvivendo com o Inimigo


Por Michael

Estávamos preparando a cerimônia de mudança de vida por assim dizer de Angel, compreendia muito bem o que ele estava passando. Por conta da sua maldição ele foi obrigado a ficar longe de sua amada, se eu ficasse sem a minha amada Angel também ficaria louco de desejo. Quando a noticia do seqüestro da Buffy, não perdemos tempos largamos tudo e fomos atrás dos responsáveis pelo sumiço dela. Jonh e Martin os dois correram para nos comunicar o ocorrido. Seguimos em direção da floresta rumo a caverna.
Devo confessar que me senti arrependido por tela mandado naquela missão que pra mim foi suicida. Buffy era treinada em matar vampiros fracos, mas as coisas estavam diferentes agora. Ninguém sabe disso, alem de mim, Angel e Andrei, meus dons são de quarta geração de vampiros, Angel é de terceira e Andrei é de segunda geração, acima dele só Cain. O que torna as coisas ainda mais complicadas. Não contei a Buffy justamente pra caso acontecesse o que aconteceu, em uma tortura ela não fala alem da conta. Com aquele gênio dela vai ser difícil arrancar algo tão fácil.
Vasculhamos toda a caverna atrás da caçadora e nada de encontramos, Angel estava desesperado e eu sabia por quê:
_ Não estou gostando nada disso – Disse serio a mim.
_ Nem eu. – Afirmei – Estamos deixando passar alguma coisa, mas não sei o que.
_ Se algo acontecer com ela, não vou me perdoar nunca.
_ Não pense assim Angel. Vamos encontra-la.
Resolvi usar a Aurora para encontrar Buffy, removi todo que eram sensíveis ao meu dom e comecei a manifestar. Apontei para o teto da caverna e me concentrei em onde ela poderia estar, não demorou muito e logo um sinal em forma de flechas incandescente no chão:
_ Por aqui – Gritei enquanto providenciava uma proteção pra eles – Venham, essas setas vão mostrar onde ela está é só seguir.
_ E quanto ao senhor?
_ Voltarei a cidade, não posso ficar longe por muito tempo. Vão agora antes que o fogo se apague.
Foi com essa ordem que os soldados por assim dizer foram em busca de sinais de vida da Buffy. Não importava se ela era apenas uma caçadora ou humana ela tinha que ser resgatada, afinal eu tinha feito uma promessa de não deixar ninguém morrer nos meus domínios. A contra gosto levei o Angel comigo, já tinha perdido um não iria perder o outro. Chegamos a minha residência. Estávamos preocupados com as coisas que estavam acontecendo, não tive escolha tive que ir comunicar o ocorrido para o meu protegido. Essa carnificina era por causa dele que a séculos estava oculto do mundo dos humanos e no que depender de mim continuará assim.
A minha Angel apareceu nas escadas que dava acesso ao salão subterrâneo da casa. Pressentia que ia tomar uma boa bronca assim que comunicasse o que aconteceu, mas como eu ia adivinha que ela era tão burra a ponto de cair em uma armadilha? O agora já foi. Só nos resta mesmo é correr atrás do prejuízo só espero que não sobre tudo nas minhas costas depois. Pior só espero que ela não seja idiota ao ponto de querer enfrentá-los só porque venceu alguns de castas mais baixas comigo do lado:
_ Hoje não é o meu dia definitivamente. – Esbravejei
_ Aconteceu alguma coisa? – Pergunta Andrei surgindo do nada a minha frente.
_ A Buffy foi seqüestrada. – Soltei a bomba – A idiota saiu atrás de uns rastros e não percebeu que era uma armadilha.
_ Já to sentindo isso de longe. – Disse ela revirando os olhos.
_ O que pretende fazer? – Insistiu Andreí
_ Já mandei gente atrás dela. Só espero que ela não faça nenhuma burrice antes de conseguirmos resgatá-la.
_ Boa sorte amigo.
_ Obrigado
_ Mike eu vou com você.
Entrei junto com ele nos aposentos do nosso mestre sem ser anunciando, sendo logo notado e estranhado a minha atitude. Os convidados dele se voltaram pra mim. O mestre fez sinal para que me aproximasse e assim o fiz:
_ Senhor podemos conversar a parte? – Pedi seria e calmamente.
_ Sim, podemos. Assim que entramos em uma parte reservada me interrogou – Muito bem Michael fale.
_ Desculpe-me incomodá-lo, mas a minha protegida sumiu faz algumas horas. – Soltei a bomba esperando a bronca.
_ Já esperava por isso da parte dela.
_ Não está surpreso senhor?
_ Não. Ela não estaria nessa enrascada se ouvisse mais você. Não se preocupe Michael você fez sua parte.
_ Só vim lhe deixar a par dos últimos acontecimentos senhor. sei que tens planos para ela.
_ Sim. Tenho planos que vão ser ineficazes sem ela, mas confio no seu talento não só pra dança, como também pra manipulação das coisas. Você aprendeu bem com sua protegida e não me arrependo de te ter permitido participar da cerimônia.
_ Obrigado por sua confiança senhor.
_ Sou eu que tenho que agradecer a sua lealdade Michael. Você se mostrou melhor que muitos vampiros por ai.
_ Obrigado meu senhor. Quero avisar que já tomei as providencias para o resgate dela, mandei meus homens atrás do rastro em breve teremos noticias.
_ Me mantenha informado.
_ Manterei.
Ao sair da presença dele me senti mais aliviado já que ele confiava em mim, Mas não posso abusar dessa confiança já que já fui traído muitas vezes e tinha ate especialização no assunto em todos os níveis possíveis. Estava torcendo pra encontrar alguém que me dê-se mais informações sobre a Buffy, mas isso não aconteceu. Tomei a escada de acesso ao lado externo do esconderijo o mais depressa possível. Quando o meu instinto resolve acorda é porque coisa boa não vem por ai, desde que, vamos dizer assim, foi introduzido nesse mundo das sombras tive que aprender a lidar com esse meu dom.
Na porta de entrada vi a minha Angel sentada como se fosse uma rainha a minha espera. Meu coração disparou ao vela sabia que ela poderia em ajudar de alguma maneira. Fui conversar com ela e vê o que o destino me dava em troca:
_ Alguma novidade?
_ As mesmas de quando você foi falar com o mestre.
_ Estamos de mão atadas pelo que estou vendo.
_ Talvez.
_ Talvez? Porque talvez? Sabe de algo que eu não sei?
_ Você deu seu sangue pra ela se recuperar mais rápido naquele dia da aula de castas não foi?
_ Sim foi. Porque a pergunta?
_ O organismo da Buffy ainda guarda traços dele no corpo dela – Proferi Andreí saindo de umas das arvores atrás de nós nos fazendo olhar pra ele – com a aurora podemos encontrá-la sem muita ajuda.
_ Por isso que gosto desse meu professor das sombras – Angel exclamou toda contente com a novidade.
_ É Andreí, mas eu não posso ir atrás dela. Muito menos nós três juntos. – Disse com um tom de preocupação na voz.
_ Eu sei Michael. – concordou com os olhos fixos no nada – Você é o vampiro mais forte de que se tem noticias com o dom da aurora. Faz mais de 400 anos que ando na terra e nunca ouvi falar de um vampiro com esses dons. Ate onde se tem noticias você é o primeiro.
_ Então como faremos?
_ Simples assim.
Sem dizer nada Andrei saltou feito um felino tão rápido sobre mim que mal tive tempo de me defender, mas fui rendido por ele com a mesma agilidade que atacou. Ele gravou as suas presas em meu pescoço liberando sangue necessário para o que ele pretendia me largando em seguida.
_ está louco Andrei? – Gritou Angel comigo nos braços desacordado – Quer matá-lo?
_ Não. Estou protegendo-o ele não pode sair daqui. Cuide dele vou trazer a caçadora de volta.
Andrei correu para alem dos limites da cidade atrás de Buffy. Angel me levou para os meus aposentos deixando-me bem acomodado, minutos depois ela volta com uma quantidade de sangue suficiente pra alimentar um exercito. Ela já sabia que eu não me alimentava a um bom tempo e que o que Andrei fez era só pra me ajudar de certa forma. Ela me colocou em transfusão de sangue enquanto ficava desacordado.
Enquanto eu estava temporariamente fora de combate, Andrei saiu no encalço dos algozes da Buffy. Sabia que as coisas não seriam fáceis pra ninguém e que o pobre do meu “rival” iria ter muitos problemas. Como ninguém era maluco de deixa-lo ir sozinho, um grupo foi junto para encontra os que já estavam lá. Bom pelo menos era essa a intenção. Uma coisa que a Buffy não sabia alias, ninguém sabe, que possuo um dom muito forte. Consigo ver as coisas em tempo real enquanto estou desacordado. O que não torna o meu “descanso” exatamente em um descanso merecido.
Esse dom descobri por acidente enquanto estava me recuperando da minha transição forçada para o mundo dos vampiros. Eu vi tudo que minha Angel fez pra me ajudar enquanto não conseguia acordar, isso de certa forma seria muito útil em batalhas futuras e ate pra ajudar alguém, nesse caso, a Buffy. Por isso posso narrar os fatos que vou lhes contar agora. O grupo que seguiu o rastro que deixei de fogo, a trilha os levou a uma segunda caverna muito profunda longe de onde a caçadora foi capturada. Eles passaram bom tempo esperando que o momento certo chegasse, ou que mandassem reforços.
Perto do dia amanhecer eles resolveram entrar no esconderijo antes que o segundo grupo pudesse chegar para ajudar. Apesar da barbeiragem, eles conseguiram estourar o cativeiro. Quando Andrei chegou a batalha estava armada e sendo quase que completamente arruinada. Eles conseguiram chegar a tempo para ajudar os outros, mas algo aconteceu:
_ Andreí?! – Acordei com um berro.
_ O que foi Michael? – Respondeu ela se achegando a mim assustada.
_ É uma armadilha pra pegar um de nós não podemos permitir isso. – Pulei da cama disparando para a porta sendo seguido por Angel.
_ Espera Michael do que está falando?
_ Eles precisam de um dos descentes da Aurora. – Expliquei enquanto me dirigia a saída em direção a um dos carros – Eles pretendem conjurar um demônio e precisam de um vampiro com o dom do fogo, O Andrei apesar de ter em escala mais fraca possui esse dom precisamos impedi-lo de ser capturado.
_ Então não podemos nos aproximar da Buffy, nem eu me você Michael.
_ Eu tiro – Disse Angel – Vocês dois ficam aqui e eu vou atrás deles, vou trazer a Buffy de volta nem que eu morra pra isso.
_ Angel entenda o Andreí não pode ser capturado, senão a nossa conexão se rompe e tudo aqui na cidade passa a correr riscos entendeu? Traga-o vivo....


[/b]
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Ter Mar 22, 2016 9:24 am



Capitulo VIII Amigas ou Rivais?


Por Michael




Após ele entender a conversa, Angel saiu o mais rápido que pode para resgata sua amada e o meu amigo. Obviamente eu não podia ir junto. Se capturar um já seria um prejuízo tremendo, imagem se todos nós fossemos pegos. Por sorte ele conseguiu chegar a tempo de evitar a captura de Andrei. Ao encontra-lo a poucos metros da cilada. Ele foi informado da emboscada e logo fez o caminho de volta pra cidade o mais depressa que pode. Angel com a ajuda dos demais conseguiu finalmente resgatar Buffy que fora confundida com um de nós três por conta do meu sangue que ainda corria em seu corpo. O que explicou a sua captura tão estranha.
Enquanto estava desligado do mundo eu notei que pensavam que a Buffy era a minha Angel. Logo a levaram por engano. Embora muito machucada Buffy estava viva, os anarquistas queriam que ela se juntasse a eles para que conseguissem destruir o criador e por fim a essa hierarquia. Como ela não era vampiro não tinha como o fazer. Angel conseguiu resgata-la antes do pior e a trazia o mais rápido que podia pra cá e maiores detalhes eu só saberia quando ela chegasse. Só não sei se dava pra dizer que estava sã, mas salve....
_ O que te preocupa meu anjo? – Pergunta meu anjo me abraçando por trás.
_ Estou tentando adivinhar porque eles a pegaram. Só existem três herdeiros de Rafael atualmente e todos estão aqui.
_ É verdade. Será que o Andrei sabe de algo?
_ Gostaria de saber. O que mais me intriga é que nós só temos ligação com quem a gente fornece sangue pra cura enquanto o nosso sangue estiver no organismo do receptor, mas já faz três dias que eu dei a ela e pelos meus cálculos já era pra ter sumido a dois dias. E ate agora nada.
_ Que estranho? Será que pode existir um quarto herdeiro de Rafael?
_ Não sei. É isso que eu quero entender. Porque se for teremos problemas. Sérios problemas.
_ Se ela for abraçada por outro clã...
_ Melhor nem imaginar, se isso tiver que acontecer que seja um de nós.
_ Concordo com você.
_ Me avisa quando eles chegaram eu quero conversar com o Andrei, talvez ele consiga uma parceira pra ele com a Buffy.
_ Isso se ela não o decapitar antes.
_ É mesmo. Não custa nada tentar.
_ Eu aviso.
Assim que ela saiu, tentei resolver essa questão. Afinal se existissem quarto herdeiros as coisas iriam ficar um tanto serias. Uma corrida armada de todos os clãs iria começar, ter um vampiro com o domínio da maldição de Rafael seria um sonho pra qualquer clã. E encontra um humano com o dom oculto e ainda não transformado é como ganhar na loteria. Meu medo é se aqueles anarquistas já descobriram esse detalhe em relação a Buffy. Infelizmente noticias seja ela boa ou ruim se espalha como fogo em pólvora no mundo vampirico.
Uma vantagem que eu passei a ter depois de vira um dente afiado foi o fato de não precisar mais dormir como os humanos. O sono propriamente dito passou a não existir, o que de certa forma me ajudou a lidar com a constante falta dele. O Tupor como é conhecido o sono dos vampiros te desliga pelo tempo que você achar necessário descansar. Isso pode ser por horas, dias, meses, anos ou séculos, tudo depende do seu grau de tédio ou cansaço. Enquanto a comitiva não aparecia resolvi descansar pelo tempo que levasse a chegada deles. Mas antes eu avisei para me chamarem caso eles chegassem e assim foi feito.
Foram três hora de longo sono, parece pouco eu sei, mas revigorador. Quando percebi o menor movimento no meu aposento, já me pus em alerta total. Por prevenção e por não saber de quem se tratava ou do que se tratava e as intenções. Me grudei na parede mais próxima ficando praticamente rente ao teto, fazendo uma escalada silenciosa. Coisa simples pros vampiros já que podemos nos grudar nas paredes como moscas. Assim que identifiquei o meu intruso me fiz presente:
_ Novidades? – Disse o fazendo toma um susto rápido.
_ Ela chegou muito machucada, estou temeroso pela vida dela.
_ Não se preocupe meu amigo ela é forte – Tentei tranquiliza-lo. – Leve-me ate ela.
Angel me levou ate Buffy estava sendo tratada, confesso que me assustei com o estado dela. Estava quase irreconhecível. Passei ate a temer pela vida dela, ainda mais agora com a possibilidade de ter mais um herdeiro de Rafael.
_ Quem é Rafael? – perguntou Buffy com uma voz inaudível para os humanos.
_ Rafael é um anjo. – respondi calmo ao pé de seu ouvido.
_ O que ele tem haver comigo?
_ Acho que já te contei essa historia mas sem os detalhes.
_ Quero detalhes.
_ Quando Rafael deixou sua maldição nos vampiros, ficou uma espécie de efeito colateral ou se preferi uma benção. A entre 100 a 500 aparece um vampiro com o dom de fogo. Não um vampiro, mas um humano. Este quando abraçado ou mordido como queira. Acaba por manifestar esse dom. o que de certa forma é bom ou ruim dependendo do clã.
_ Porque é ruim?
_ Durante séculos os membros do meu clã foram exterminados por outros vampiros com o dom da Aurora. De mais de 20mil membros hoje restam poucos mais de 50.
_ Que horrível
_ Descanse Buffy conto o resto da historia depois. – Toquei em sua testa a fazendo dormir. – Vamos leva-la direto pro hospital de Sunnydale.
_ O que diremos quando chegarmos lá?
_ Inventem qualquer coisa, mas não deixem que desconfiem de nada.
_ Sim senhor.
_ Angel?
_ Sim Michael.
_ Fique com ela ate ela se recuperar, tem alguém aqui que precisa dela de volta.
A minha Angel não ficou muito feliz em saber que iria ter que ficar com ela enquanto estaria se recuperando, Buffy agora adquiriu uma importância incrível que eu não sabia. Não sei como identificar o dom da Aurora nela, mas teríamos que descobrir rápido. Todos tinham consciência que aquilo poderia mudar a historia dos clãs e eu também tinha. Descobrir um único humano com a herança de Rafael era como ganhar na loteria.
Enquanto tudo tentava se resolver naturalmente, ou seja, por conta da humanidade da Buffy. Resolvi ir atrás de cientistas que pudessem criar alguma formula, aparelho, exame ou qualquer coisa que identificasse com antecedência a herança de Rafael, fazendo assim com que nós identificássemos e ganhássemos para nós o portador. Ter influencia nesse ramo da musica é fundamental. Procurei um amigo formado em biomedicina e solicitei que me ajudasse com essa tarefa árdua. Enquanto ele tentava descobrir algo com uma amostra de sangue minha e de Buffy tive uma missão ingrata com a minha Angel:
_ Michael eu não vou – Esbravejava ela aos berros.
_ Angel eu não posso ficar o tempo todo ao lado dela ate que ela acorde.
_ Manda o namorado dela pombas.
_ Eu tenho assuntos com ele pra resolver, não posso deixar pra depois ou esqueceu do perigo que ele corre aqui?
_ Eu não vou.
_ Você está com ciúmes dela não é? – insinuei suspeitando da resposta – Esta com medo que eu me apaixone por ela Angel? Reponde.
Nem precisava dela responder, ela mal olhava nos meus olhos. Sabia que seria difícil convencê-la me ajudar, mas teria que tentar afinal muita coisa estaria me risco se deixar a Buffy solta por ai sem proteção.
_ Angel, por favor, a situação é de emergência.
_ Michael eu não posso.
_ Se você imagina que eu estou interessado nela esqueça. – Olhei fundo em seus olhos – Nem em meus mais belos sonhos eu posso trocar você por ela Angel. Você me libertou de um fim previsível pra qualquer estrela da musica. E eu estou aqui por sua causa, não vai mudar isso você me entende?
_ Michael...
_ Se a Buffy tiver mesmo o nosso dom o Andrei vai ter uma companheira e o nosso clã não vai se preocupar por um bom tempo com os outros clãs que querem nos destruir. Não peço pra que caia de amores por ela, peço apenas que nos ajude a salvar o nosso clã e ele.
_ E quanto ao pretendente dela?
_ Em breve ele será humano novamente e não terá mais volta. – Abraçando por trás – Me ajuda, por favor?
_ Vou cobra caro de você esta sabendo disso?
_ Eu pago com o maior prazer mocinha. – A beijando calorosamente – Apareça no hospital antes do amanhecer, cuide dela.
Enquanto tentava entender toda aquela situação, me mantinha em alerta na entrada da cidade junto com um grupo de voluntários. A noite corria tranquila sem nenhuma incursão suicida ate aquele momento. Era inevitável a espera, tanto Buffy quanto o meu amigo cientista eu tinha que esperar ambos os resultados. Andrei estava pensativo de mais pro meu gosto e algo me deixava preocupado. Se eu disser que não sei da paixonite dele pela minha Angel eu estaria mentindo descaradamente. Afinal ela era a escolha dele pra viver a eternidade e eu só entrei pra joga água nesse shop.
Infelizmente não mando no meu coração e principalmente no coração dela, se ele não conseguiu conquista-la quando teve chance eu não tenho culpa de nada. Entrei sem querer, mas consegui conquista-la. Essa minha historia é assunto pra outra historia por hora vamos no concentrar na Buffy. Mas não sei se Andrei iria querer ter uma nova escolhida:
_ Andei?
_ O que é? – Ríspido
_ Sei que você não gosta de mim....
_ Me poupa do seu discurso Michael, você conseguiu a única coisa que ainda me dava razão de continuar nessa vida.
_ Não tive culpa.
_ Eu sei, eu que não fui forte o suficiente pra bancar ela. Agora eu pago por isso.
_ Agora você pode ter a Buffy.
_ Não se iluda novato. Amor de vampiro quando se apaixona o faz apenas uma vez, mesmo quando a pessoa morre ele nunca a esquece. Vive o resto da eternidade com a dor da perda. E eu vou viver com a minha mesmo ela estando tão perto de mim.
_ Perdoe-me.
_ Você não tem culpa, mas eu vou cuidar da Buffy mesmo assim.
_ Obrigado.
_ Não me agradeça. Só me prometa que ira fazer a Angel feliz?
_ Eu prometo. E prometo também que vou morrer tentando fazer ela feliz nem que pra isso eu tenha que morrer.




avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Ter Mar 22, 2016 12:11 pm

Capitulo IX – Difíceis Lições A Aprender. .







Por Buffy

A minha recuperação foi sofrida e demorada, não entendi nada do porque deles estarem tão irritados por causa de um traço de fogo que aparecia em meu sangue. Michael com certeza sabe do que eles estão falando e com toda certeza eu vou atrás cobrar. Meu estado era tão ruim que passei um bom tempo desacordada pra desespero do Michael que esperava ansioso pra falar comigo.
Sabia que tudo iria ficar mais complicado com o meu estado de saúde. O que eu não sabia era o quanto. Sem querer acabei dando uma forma de entrarem na cidade o que não era nada bom. Os anarquistas pretendiam destruir o criador dos vampiros e assim instaurar o caos no mundo tanto humano quanto vampirico. E eu nem sabia onde ele estava escondido, apenas sabia que ele era o mais poderoso de todos e que era o mais importante de todos os vampiros.
Michael sabia que ele poderia se defender sozinho, mas eu não entendia o porque dele proteger um vampiro tão antigo quanto ele. Algo me dizia que era por conta dos dons especiais que ele e seus amigos tinham. O pior que eu não fazia ideia de que poderia ter os mesmo dons. Após quinze dias de total estado de inércia, acordei pra alegria de Michael que não aguentava mais a espera:
_ Olha que acordou do sono de beleza – Proferiu irônico.
_ Engraçadinho. Onde estou?
_ Hospital municipal de Sunnydale.
_ quanto tempo fiquei desacordada?
_ Uns quinze dias mocinha dorminhoca.
_ Seu humor me irrita sabia?
_ Bom saber. – ironizou Michael de novo – Ok vamos direto ao ponto Buffy. Porque eles te pegaram?
_ Não sei bem ao certo.
_ Me dê qualquer informação.
_ A única coisa que sei é que eles precisam de alguém com o dom do fogo pra poder destruir o primordial.
_ Destruir Cain? Como?
_ Não sei bem. Eles acham que eu sou portadora desse dom. achei meio louco isso.
_ Buffy o meu sangue saiu do seu corpo há muito tempo. E você ainda tem traços da minha aurora em você.
_ Como assim? Não estou entendendo nada.
_ Muito menos eu, pedi para um cientista fora da cidade pra ver isso a fundo. Se ele conseguir algo que identifique isso no seu sangue. Você terá que ser abraçada o mais rápido possível. – Enfatizou ele serio
_ Eu virar vampira está louco?
_ Quisera eu que estivesse. Buffy a coisa é seria. Estou te dizendo isso desde o principio, se eles pegarem alguém como eu que ainda não foi abraçado eles podem fazer o que quiserem pra conseguir destruir Cain. E pra piorar transforma toda a humanidade em seu gado pessoal pra fazer o que bem entender. Você quer ver seus amigos serem mortos por esses monstros? – Questionou ele me fazendo pensar. – descanse um pouco eu irei ver se consigo algo mais.
Não deu tempo do Michael se quer chegar a saída do hospital. Um ataque fulminante de anarquistas estourou a proteção de fogo da cidade. Eu não poderia jamais combater no estado que estava por mais que eu tentasse. Michael retornou ao meu quarto e me tirou dali o mais rápido que pode, era questão de vida ou de morte par todos:
_ Eu preciso defender a cidade. – Falei com dificuldade.
_ Você está sem condições de combater, se for lá vai ser suicídio. – Retrucou Michael.
_ Eu preciso ir – Insiste.
_ Você vai me esperar aqui e não me faça desacordar você de novo.
Ele mal teve tempo de me encarar e foi logo atacado por um anarquista que o atacou de surpresa sem dar tempo de reação. Outro avançou pra cima de mim enquanto Michael se defendia do seu oponente, pra minha sorte Angel apareceu pra me socorrer. Com um golpe certeiro conseguiu desviar o rumo do meu agressor. Logo o local parecia um campo de guerra e eu sem poder fazer muita coisa pra conseguir sair ilesa daquela situação:
_ Como foi que eles conseguiram entrar aqui? – Gritou Angel para Michael.
_ Eu não sei. – respondeu ele golpeando com uma espada o peito do inimigo – devem ter conseguido quebrar a proteção com o sangue da Buffy.
_ Como isso foi possível?
_ Essa pergunta eu também estou querendo a resposta pra ontem.
¬_ Coisa feia Michael da uma festa e nem me convida. – Disse irônica a mocinha por quem Michael tinha o coração.
_ Desculpe acho que meu convite se perdeu na entrega. – Retrucou ele no mesmo tom de ironia. – Leva a Buffy daqui rápido antes que eles a peguem.
_ Faz isso você.
_ isso não é hora pra ciúmes Angel. O mestre corre serio perigo se ela cair nas mãos deles.
_ Tá bom – Revirando os olhos – Já que insiste.
Não sei qual a razão dela me odiar tanto, mas não podia fazer nada pra evitar aquilo. Então me deixei ser levada por ela para um lugar seguro. A agilidade que ela se movimentava me dava tontura, estava querendo vomitar de tanto que eu era jogada de um lado para o outro na corrida. Antes que algo de pior acontecesse achei melhor reclamar:
_ Angel para pelo amor de Deus.
_ Não posso. Se não vão nos alcançar.
_ Se você não parar eu vou vomitar aqui.
_ Como você é fresca credo.
_ Não sou fresca – Me pondo no chão. - Apenas não estou acostumada com esse galope que vocês dão. – me sentando no chão pra respirar fundo e passar o enjoo.
_ Sinceramente não sei o que os homens veem em você.
_ Como assim? – confusa.
_ você é uma caçadora, humana, frágil e um saco de se aturar. Mesmo assim tem três homens poderosos na tua cola e um nem tanto. Ou eu sou muito burra que não vi a conexão disso ou eles que são muito idiotas pra gostar de viver perto da morte.
_ Não quero nenhum deles, mesmo que pudesse escolher o Angel é um vampiro e eu não vou ficar com um vampiro.
_ Não teria tanta certeza assim.
_ O que quer dizer?
_ Sabia que ele está pra se tornar humano por sua causa? – Seria – O que você tem de tão especial Buffy que faz os homens fascinarem em você?
_ Mas como isso é possível? Voltar a ser humano de novo?
_ Pergunte a ele quando o encontrar. Vamos embora daqui antes que nos achem.
O galope recomeçou ainda mais rápido do que antes. Não fazia ideia pra onde estávamos indo, mas esperava que as coisas se acalmassem. A batalha estava grande lá fora. Como uma boa caçadora estava louca pra voltar a ativa, mas meu corpo não ajudava e teimava em se recuperar mais do que devia. Precisa dizer a Michael o que aconteceu na caverna, para que ele pudesse se prevenir contra o ataque, mas foi tarde de mais. Ainda espero poder corrigir o que aconteceu antes que algo mais grave venha a acontecer com a minha cidade:
_ Angel para.
_ De novo?
_ Importante.
_ O que é agora?
_ você precisa dar um recado pro Michael com urgência.
_ Qual o recado?
_ Avisa a ele que eles beberam do meu sangue enquanto estava na caverna presa, por isso que eles conseguiram entrar na cidade.
_ E você só vem avisa agora. – berrou de ódio – Ele não vai gostar nada disso sua estúpida. – saindo apressada.
_ Eu só me lembrei agora. – berrei de volta na esperança de que ele me ouvisse da distancia que tava.
Ainda sem forças eu tentei me localizar pra saber onde aquela louca havia me deixado, percebi que era um casaram longe da cidade. Estava bem cuidado e naquela hora do dia parecia vazio, engano o meu. Quando o sol sumiu no horizonte um grupo de mulheres bem vestidas e muito bonitas porem muito pálidas vieram em minha direção. Elas pegaram o meu braço e me levantaram com uma facilitada tamanha que eu mais parecia uma folha de papel:
_ Seu nome é Buffy Summer? – Perguntou uma jovem ruiva de vestido decotado vermelho.
_ Sim sou eu.
_ Michael nos avisou que viria. – Homem precavido pensei – Aqui está segura, ninguém se atreveria a mexer com o nosso clã.
Fui levada pra dentro sem mais nenhuma palavra ser dita, sabia que estava no meio de um ninho de vampiros e ainda mais debilitada. Achei melhor seguir a situação pra ver no que daria. Não iria entrar em confronto completamente sem forças pra nada. Meu sangue havia sido quase todo drenado e a transfusão que fizeram no hospital não foi o suficiente pra me dar forças, precisaria de muito tempo pra me recompor e eles pareciam saber disso. Fui levada para uma espécie e alcova onde só uma das mulheres tinha a chave. Isso significava que eu iria ficar presa, o que não era má ideia já que ao entrar na casa notei que outros vampiros olhavam pra mim como um pedaço de carne ambulante. Isso de certa forma me incomodava, ser vista como comida fresca por pessoas que a primeira vista eram humanos era no mínimo apavorante.
_ Michael quer que você fique aqui por enquanto, ate você se recuperar – informou-me uma jovem de preto bem mais velhas que as que me receberam. – aqui é seguro, em breve ele virá vê-la.
_ Obrigado.
_ Trancaremos a porta pra sua segurança. Se precisar de algo basta chamar o Johnny. – puxando um rapaz franzino a primeira vista a frente - Ele ficará de guarda aqui na sua porta e qualquer coisa ele nos avisará.
Não sabia por quanto tempo teria que esperar a visita de Michael, enquanto ele não vinha decide dormir um pouco. Sabia que avisaria da chegada dele. A pior coisa pra uma caçadora era estar impedida de lutar mesmo com o seu instinto praticamente te obrigando a fazer isso, mas era questão de vida ou morte. Michael sabia que era suicídio entra em combate debilitada e que eu possuía mais valor viva do que morta. Se bem que ele vai querer me matar ao saber que eu omiti uma informação tão importante e que a vida de muita gente estaria em risco por conta disso.
Dormi por aproximadamente umas quinze horas, não sei bem ao certo. Me sentia bem, então resolve ficar no meu quarto já que estava trancada mesmo. Alguns minutos depois de despertar ouvi passos no corredor e pela pisada estava furioso. Deduzi que seria Michael. Não deu outra quando a porta dos meus aposentos se abriu, lá estava ele de pé a minha frente com uma cara que indicava ser de poucos amigos. Nunca o vi desse jeito antes, fiquei assustada. Ele caminhou em minha direção.....




Última edição por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:40 am, editado 3 vez(es)
avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Qua Mar 23, 2016 12:39 pm

Capitulo XAmor Está No Ar, Mas Nem Tanto.






A expressão de seu rosto tornou-se ainda mais dura quando se aproximou de mim. Em um golpe rápido que não tive tempo de me defender ele agarrou com uma das mãos o meu pescoço, imprensando minhas costas contra a parede me suspendendo em seguida com as unhas gravadas na minha carne, seus olhos estava de cor de fogo:
_ Nunca mais omita nada de mim ouviu? – Berrava ele enquanto esmagava a minha garganta com uma força tremenda.
_ Ouvi sim, dá pra me larga agora. – Falei quase inaudível sentindo o meu fôlego sumir.
_ Não pense que por ser humana e caçadora eu não posso matar você. – esbravejou ele largando o meu pescoço me fazendo cair na cama com as costas em brasa.
Ele limpava a mão enquanto eu tossia engasgada com o meu próprio sangue. Michael já tinha me dado sinais de que não brincasse com ele. Da mesma forma que os humanos eram importantes pra mim, os vampiros eram pra ele. Ambos estavam dispostos a pagar um alto preço pra proteger seu lado, mesmo que significasse matar o outro pra isso. Entende o recado dolorido dele. Michael saiu no mesmo pé em que entrou, me deixando na minha sela jogada as baratas. Que alias era o que mais tinha ali dentro.
Com uma cesta de curativo que havia sido deixada na mesinha perto da porta comecei a limpar os ferimentos que foram bem profundos. Eu tinha ciência que aquele acordo era mais prejudicial a mim do que a ele. Se eu ficasse eternamente fora do caminho deles, eles teriam uma cidade inteira de pessoas para fazerem o que quiserem. Não podia permitir isso por mais que fosse um suicídio isso, mas eu teria que tentar ao Maximo.
Enquanto eu tentava dar os pontos nos meus ferimentos que por sorte não eram fatais ouvi a porta bater, ou melhor, alguém bater na porta. Larguei tudo que estava fazendo e esperei a porta ser aberta pelo meu carcereiro. E pra minha surpresa:
_ Angel? O que faz aqui? – Disse espantada.
_ Vim ver como estava. Eu soube o que ele fez com você. – disse em um tom triste porem aliviado.
_ por que ele fez isso?
_ A esposa dele, a Angel, foi gravemente ferida quando voltava pra dar o seu recado. – Disse serio – Buffy o que você fez mesmo que sem querer causou mortes para todos os lados, humanos também morreram nessa batalha. Michael está furioso com toda razão ele estava tentando evitar esse massacre e foi exatamente o que aconteceu por sua culpa.
_ E como ela está? A Angel?
_ Mal. Ela não vai morrer, mas vai precisa de muito sangue pra se recuperar. Não espere dele qualquer tipo de atenção enquanto ela estiver se curando.
_ sinto muito. Não queria causar problemas – disse enquanto ficava encostada no ombro dele.
_ Fique tranquila Michael é esperto e vai saber contorna a situação.
_ Não queria ferir ninguém.
_ Eu sei. Um amigo de Michael conseguiu desenvolver um reagente a Aurora.
_ Aurora? O que é Aurora?
_ Ele não te contou o que é isso?
_ Não me disse nada.
_ Aurora é um dom dado, ou melhor, herdado pelos vampiros na qual eles conseguem desenvolver o fogo dentro deles espontaneamente. Eles a chamam de herança de Raphael.
_ Raphael não era um anjo? - intrigada
_ Foi o ultimo anjo que amaldiçoou Cain, ele fez com que todo vampiro fosse vulnerável ao fogo.
_ agora da pra entender porque vocês pegam fogo ao sol. E o que isso tem haver com a tal Aurora?
_ Nenhum vampiro sabe explicar ao certo, mas parece que foi por consequência da maldição alguns vieram com esse Dom nos genes humanos. Alguns suspeitam que era uma forma de Deus proteger os humanos do ataque dos vampiros, mas algo deu errado e o dom ficou a favor dos vampiros.
_ Interessante.
_ Esse dom aparece de 100 a 300 anos nunca um herdeiro de Raphael vive junto de outro. Sempre quando um morre o relógio do tempo de aparição começa a correr, mas já fazia 800 anos que não se ouvia falar em um herdeiro de Raphael. Alguns já estavam crentes que a linhagem de desse Dom já havia se extinguido, ate aparecer Andreí e Angel, posteriormente Michael e tudo indica que você também Buffy.
_ Como isso é possível? Se era pra ser uma defesa para os humanos porque então passou para os vampiros?
_ Não sei bem ao certo Buffy talvez Michael saiba, mas duvido muito que ele queira lhe responder algo sobre isso após o que aconteceu com a esposa dele. – Afagando meus cabelos – É melhor você dar um tempo pra ele, enquanto isso descanse eu vou fazer seus curativos.
Angel tinha mãos hábeis e conseguiu dar os pontos mais rápido do que eu imaginava. Algo me dizia que a minha vida iria mudar drasticamente quando aquela garota se recuperasse e não havia nada que eu pudesse fazer pra mudar o que viria pela frente. O tempo demorou a passar pra mim ali. Angel sempre trazia algo pra comer e beber pontual como um relógio. Minha única alegria velo ali naquele lugar frio e esquecido por Deus. Era irônico que o único que pudesse me ver com frequência era um vampiro em um covil de vampiros. Michael parecia que tinha esquecido de mim por conta da esposa, logo só me sobro o Angel.
_ Como ela está? Tem noticias dela?
_ Está recuperando lentamente. Michael está organizando uma campanha de doação de sangue pra ajuda-la, as pessoas estão sendo bem receptivas.
_ Foi tão grave assim?
_ O estoque pessoal dele já se foi por conta dos ferimentos e antes que o da cidade se esgote ele abriu a campanha. Assim ele não mexe no da cidade e repõe do dele.
_ Bem esperto ele. Eu não consigo entender essa nova raça de vampiros Angel. Parecem tão....
_ Humanos? – Interrompendo-me. – Eu também achava que os vampiros eram horrendos ate quando os vi pela primeira vez. Foi então que conhece Michael e a Angel e descobre tudo sobre eles. O mais importante é que eu tinha salvação. Eles me contaram da possibilidade de quebrar o encanto e de eu voltar a ser humano novamente como qualquer um.
_ Achei que fosse irreversível a transformação pra vampiros?
_ E é. Mas esse Pajé deixou uma brecha no feitiço e é por ela que estou tentando escapar.
_ Espero que consiga.
Infelizmente Angel não pode ficar mais tempo e teve que ir embora. O que eu não sabia era quem estava do lado de fora com cara de poucos amigos:
_ Falou com ela? – Perguntava Michael impaciente.
_ Não tive coragem.
_ Você sabe muito bem que pode ser da forma fácil ou a difícil. E eu anseio pela difícil Angel. – Disse Michael com fogo nos olhos. – Você tem ate amanhã pra falar com ela e contar o que vai acontecer, ou eu faço. Acredite você é quem vai preferir contar a ela.
Michael estava me evitando e eu sabia que era por algo que eu tinha feito. Tive medo do que poderia me acontecer, afinal estava presa em um covil de vampiros muito mais poderoso do que eu já tinha enfrentado e não tinha como me defender. Qualquer coisa que eu tentasse fazer era suicídio na certa. Não havia escolhas pra mim eu tinha que confiar no Angel, querendo ou não ele era a única coisa que conseguia me manter viva ali. Na manhã seguinte o recebi com uma cara que não me agradou:
_ Buffy temos que conversar – Proferiu ele sem me olhar nos olhos, sinal de que vinha coisa brava pela frente.
_ O que aconteceu?
_ Tenho noticias do Michael. – pausa – Acho que não vai te agradar nem um pouco.
_ O que é?
_ O cientista que o Michael contratou para descobrir como detectar a aurora em humanos mandou noticias a dois dias. – Essa calma dele esta me matando – E ele conseguiu um teste que revela isso e o seu sangue tem traços fortes da Aurora.
_ E o que isso quer dizer?
_ Que seu sequestro não foi em vão. E eles queriam transformar você em vampira como os anarquistas, por sorte chegamos a tempo.
_ Não é só isso não é tem mais coisa? – disse percebendo que ele não olhava pra mim – tem mais coisa não é Angel? – puxando o rosto dele em direção ao meu – conte-me.
_ Michael quer transformar você em uma vampira antes que outros como aqueles Anarquistas o façam. – soltou ele serio – Gostaria muito de poder evitar isso, mas não posso.
_ Quem vai fazer isso?
_ Michael ou o Andrei.
_ E por que não você?
_ Não seja criança Buffy, olhe pra mim. É com essa aparência que você quer viver pelo resto da sua vida? Assustando a todos com a sua verdadeira face? Você não aguentaria viver assim por muito tempo.
_ Não confio no Michael.
_ Ele é uma pessoa boa. Só esta passando por problemas relacionados com a esposa, apenas isso.
_ Problemas que eu provoquei.
_ Já chega Buffy. Vamos por um ponto final nisso de uma vez ok?
_ Por que ela tinha que se machucar logo quando estava me protegendo?
_ Não sei. Mas chega disso agora. Michael está a sua espera na sala do Mestre. Temos que ir.
_ Agora?
_ Sim Buffy. A proteção que o Michael criou foi quebrada quando beberam do seu sangue no cativeiro. Por isso que o ataque deles foi possível. Precisa ser restaurado o quanto antes.
_ Gales não vai gostar nada disso.
_ Você vai ter como esconder dele, essa é a vantagem deles. Ninguém vai desconfiar de você. Só tomar os cuidados certos pra que ninguém a pegue.
_ Isso é animador. Obrigado. Pelo menos serei imune ao sol como o Michael é. – Observei.
_ Não, não será. Nem todos os vampiros tem o dom de resistência tão aflorado como o Michael.
A revelação do Angel me deixou bem animada pelo que ia me acontecer. Lógico que iriam me descobrir rápido, nunca mais eu iria aparecer na luz do sol como qualquer cidadão comum. Como não iriam me pegar? Enquanto Angel me esperava por uma roupa mais descente das que ele me trouxe. Percebi que ele não tinha vindo sozinho naquele dia....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:47 am

Capitulo XI Batalhas São Pra Serem Vencidas





Não tinha como não perceber a presença de Michael na porta. Ele estava visivelmente irritado com tudo que estava acontecendo comigo e com a sua mulher. Eu sabia que o motivo de tudo aquilo era eu. Enquanto ele tentava se ocultar na porta para que eu não o visse ou ouvisse, Angel me dava sinais de sua presença ali. Após alguns minutos do que parecia uma discussão entre eles, Michael foi embora. Angel voltou para o meu resinto e com uma cara não muito boa:
_ Temos que ir
_ Pra onde vamos?
_ Michael vai te levar para o mestre no esconderijo em baixo da casa dele. Ele vai informar a sua condição a ele.
_ E você?
_ Não posso ir.
_ Vamos – Michael me puxou pelo braço com uma “sutileza” que me deixou horrorizada. Nunca o vi assim.
Saímos da masmorra onde eu estava a passos rápidos. Michael praticamente me arrastava o caminho todo, o que de certa forma chegava a machucar o meu braço. Sabia que ele estava fazendo de propósito pelo que aconteceu com a sua esposa. Eu tinha culpa do que havia acontecido, eu não teria deixado ela voltar se soubesse o que aconteceu.
_ Michael eu quero te pedir desculpas – tentei argumentar.
_ Desculpas não vão resolver.
_ Eu sei. Mesmo assim eu peço desculpas se eu soubesse o que iria acontecer não teria a deixado voltar. - Nesse momento ele parou, senti que não seria nada bom.
_ Mas deixou. Mesmo sabendo do pandemônio que estava lá você a deixou voltar. E pior não me passou informações importantes antes de vocês saírem.
_ me desculpe, eu sei como se sente.
_ Não sabe Buffy se soubesse não teria feito o que fez. Você está pouco ligando para o que acontece com os vampiros. Só os humanos te interessam mesmo sabendo que se os anarquistas nos vencerem os humanos sumiram da face da terra mais rápido do que surgiram. Então não me diga que sabe como me sinto porque não sabe. Se essa guerra pra você é brincadeira, pra mim não é e se eu tiver que te matar pra consegui salvar a minha espécie e por consequência a sua. Acredite não vou pensar duas vezes pra fazê-lo.
As palavras dele era bem claras. Ele evitará olhar pra mim, mas o seu tom de voz deixava transparecer a raiva que ele tinha. Ele voltou a me arrastar pelos corredores da casa ou palácio onde eu estava. Não me lembro bem o que era. O destino era a casa dele onde o tal mestre estava oculto dos demais. Ele saiu me puxando pela rua com a mesma ignorância que ele mostrará dentro da casa. Eu procurava não tropeçar, pois sabia se eu caísse ali ele me arrastaria o restante do trajeto se fosse preciso. Eu praticamente tinha que correr pra conseguir alcança-lo naquela passada. Chegamos a casa. Eu estava praticamente sem fôlego. Estava suada e precisando recompor o fôlego. Pra minha sorte eu teria alguns minutos pra me recuperar.
_ Leve ela pra um dos aposentos perto do mestre e não a deixe sair por nada – Ordenou Michael seco e ríspido.
_ Espera ai – Resmunguei – É cárcere privado agora?
_ Seus privilégios comigo moça acabaram.
Porque que isso não me surpreende. Assim como Angel me amava, Michael amava a mulher dele. Isso era obvio. Não sei qual era a historia deles, mas sabia que ele faria de tudo para que ela não tivesse um fim tão prematuro como a minha e a do Angel. Um dos soldados me levou para um quarto que ficava no subsolo da casa. E mais subterrâneo estava me sentindo como uma minhoca já. Enquanto eu me deixava apresentável ao tal mesmo. Michael estava justamente conversando com ele:
_ Novidades meu filho?
_ Tenho e acho que vão lhe agradar e muito.
_ Humm. Veremos.
_ Descobri que existe mais um, ou melhor, uma herdeira de Raphael.
_ Mais uma?
_ Sim.
_ Nunca na historia aconteceu isso antes de ter quatro herdeiros.
_ Eu sei disso meu senhor. Sabia que o meu caso era raro, nunca antes havia tido três herdeiros sempre no Maximo dois. Também fiquei surpreso quando soube dela. Se três já era quase impossível quatro então é inacreditável.
_ Ela já sabe de sua condição?
_ Sim. Eu a trouxe para que o senhor pudesse vê-la pessoalmente.
_ Fez bem Michael. E quem é essa herdeira.
_ A caçadora.
_ A caçadora?
_ Sim meu senhor.
_ Isso esta ficando interessante. Avise-a que a espero em meia hora na sala de reuniões e que ela não se atrase.
_ Sim senhor.
Michael mandou um rapaz me avisar do encontro. Sabia que meu destino estaria sendo traçados por trás daquelas portas subterrâneas. Mesmo que eu não quisesse poderia mudar isso. Angel se recuperava a passos lentos o que deixava Michael mais irritado ainda. O mau humor dele chegava ate a ser charmoso. Não demorou muito para me buscarem para a reunião. O caminho era curto ate a sala não mais que vinte passos, Michael me esperava com um olhar diferente do que eu conhecia e do que se apresentava nos últimos dias. Fizeram sinal pra mim entrar e Michael veio logo atrás:
_ Se aproximem crianças – Dizia um senhor com pouco mais de 40 anos e voz mansa.
_ Aqui está ela senhor. Buffy a caçadora – Michael proferiu em tom igualmente manso após uma breve revencia. Então pude perceber de quem se tratava.
_ Michael me falou muito sobre você jovem caçadora. E do seu dom também.
_ Qual dom? – Perguntei como se já não soubesse a resposta é claro.
_ Aurora minha querida. – Caminhou ate bem próximo a mim – Acha que eles a mantiveram viva ate o resgate pelos soldados de Michael por você ser bonita? Sendo uma caçadora de vampiros já estaria morta a muito tempo.
_ Não entendo porque esse dom é tão importante assim.
_ Criança tola. A Aurora é um presente que foi nos dado por engano. E poucos de nossa raça a tem. Não se sabe a razão de quase 800 anos ela não aparecer entre nós e agora vir em dose quádrupla. E não podemos deixar que esse dom caia em mãos errada.
_ Qual seria o problema disso?
_ Morte – Michael respondeu serio – Esse clã foi quase dizimado por conta de uma Aurora que foi parar em outro clã, um rival.
_ Estou disposto a evitar outro massacre desnecessário a minha família – Replicou ele olhando fundo nos meus olhos – nem que para isso eu tenha que matar a portadora da Aurora se necessário. No caso você.
_ e quais são as minhas escolhas?
_ Não há escolhas minha cara, ou você vira uma de nós. Ou morre aqui e não haverá ninguém que a livre dessa segunda opção.
Não pude me conter e olhei para trás acompanhando o caminhar do tal mestre. Notei que havia vários vampiros ali e todos com as espadas desembainhadas. Michael inclusive. Isso de certa forma me assustou. Sabia que de certa forma não sairia dali viva. Pelo menos não como humana. Fez-se silencio na sala enquanto esperavam minha resposta. Minha vida passou diante dos meus olhos enquanto observava a reação deles a minha resposta. No fundo queria que Angel estivesse ali e que fosse ele a fazer, mas não era possível por conta de sua maldição.
_ Já que não tenho escolha – Respirei fundo e proferi – Quero escolher quem fará.
_ Que assim seja. – Disse o velho sentando-se em uma espécie de trono a minha as costas. – Fique a vontade, escolha o que mais te agradar. Seja rápida.
_ Quero que Michael o faça. – A minha revelação deixou todos sem reação. Michael principalmente. Parecia que não acreditava no que acabara de ouvir. Nãosei se foi idiotice minha, mas preferi que fosse ele. Era o único que eu tinha intimidade ali. Logo era o único que já tinha me tocado com as pressas. Então seria ele mesmo.
_ Não pense que por eu já ter provado seu sangue antes eu vou ser cuidado dessa vez. – Resmungou Michael imóvel em seu posto.
_ Não espero isso – Disse o fitando da sua posição.
_ Michael ela é toda sua – Disse o mestre de sua posição privilegiada.
_ Sim meu senhor.
Ele caminhou a passos lentos em minha direção. Sua espada estava lá em suas mãos. Um frio na espinha me percorreu meu corpo me deixando com um certo temor. Algo me dizia que ele não iria parar quando começasse. Permanece me fazendo de durona enquanto o via se aproximar de mim com os seus olhos alaranjados fixos em mim. Não conseguia decifrar aquele olhas só sabia que iria doer muito todo o processo. A raiva de Michael era visível não pelo que acontecerá a sua amada, mas pelo fato de eu omitir informações que realmente poderiam ter evitado um massacre. Apesar da minha pose de durona o meu suor me entregou:
_ com medo Buffy? – Questionou ele – Não vou fazer nada que não queira.
_ O que eu queria era estar longe daqui e não precisar disso.
_ Posso realizar seu desejo. Rápido e sem dor. – sorriso malicioso – Pelo menos eu não vou sentir nada.
_ Não pedi pra ser uma vampira Michael. E não pensei que seria assim que passaria o resto da minha vida.
_ Não pense que isso me agrada também. Não confio em você, alias nunca confiei. – dizia ele observando a reação do mestre a nossa frente imóvel – Tenho certeza que depois que você virar uma de nós irá nos matar um a um. Mas dos piores massacres que se pode acontecer eu ainda vou me ariscar com você. Não pretendo perder mais ninguém e se depois de tudo isso eu precisar te matar pra manter a minha raça viva, já disse uma vez e vou repetir não vou pensar duas vezes em fazê-lo Buffy.
_ Eu prometo não fazer nada contra vocês depois que isso tudo acabar.
_ Isso só acredito quando eu ver.
Como ela está? – Perguntei enquanto ele afastava o meu cabelo já mirando onde iria cravar os dente. – Ela se recuperou? Está bem? – ouvi um breve suspiro acontecer.
_ Porque a pergunta Buffy? Vocês humanos tem hora que cansa com essa preocupação exagerada.
_ Só queria saber como ela estava. Me desculpa tá.
_ Estamos perdendo muito tempo com essa lenga, lenga aqui. Em breve você vai para o mesmo lugar que ela. Dá pra parar de falar agora?
Nesse momento vi Michael me olhar nos olhos e lançar uma espécie de transe sobre mim, que me fez subitamente ficar imóvel porem consciente o suficiente para ver e ouvir o que acontecia a minha volta. Mas grita não seria uma opção pra mim já que a minha voz havia sumido com o troque.
_ Ate que enfim – esbravejou ele. – Assim eu posso fazer as coisas com mais rapidez do que com ela falando o tempo todo tentando evitar o inevitável.
Michael voltou as minhas costas a passos lentos e.....



avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:50 am

Capitulo XIIAurora Poder Sem Limites








Como eu estava imóvel não poderia revidar a nada que ele fizesse. Já estava começando a me arrepender de telo escolhido. Parecia que ele estava tendo prazer em me torturar naquele momento. Michael foi rápido e certeiro. O troque que ele usou em mim se desfez assim que as pressas dele rasgaram a pele do meu pescoço dando passagem a minha artéria principal. Sente uma dor insuportável no meu pescoço como se algo tivesse queimando de dentro pra fora. Ele me segura firme sem deixar que eu escapasse. Aquele som de algo sendo tomado estava me deixando louca ali. O que era pior era eu que estava sendo sugada por um vampiro agora rancoroso. A cada gota de sangue que sumia das minhas veias eu sentia que as minhas energias estavam sumindo. Meus olhos ficaram turvos. Minhas pernas faltaram forças, quando dei por mim estava largada no chão sentido meu corpo sufocando:
_ Agora você irá definhar ate morrer, mas antes. – Michael fez um corte profundo no braço, se ajoelhou a minha frente e me forçou a tomar o seu próprio sangue. Confesso que não queria tentei lutar contra, mas quando as primeiras gotas tomaram minha boca, tudo mudou. – Beba pra viver – Dizia ele com fúria segurando meu pescoço, quando aquele sabor doce dominou o meu corpo eu avancei em seu braço. Sugando com todas as minhas forças que ainda restavam.
Michael saiu da sala me deixando ali em meio aqueles vampiros que esperavam poder terminar o que ele começou. Na saída encontrou com Angel que vinha desesperado com que poderia acontecer comigo naquele momento.
_ Ela é toda sua – proferiu em num tom irônico.
_ O que aconteceu aqui?
_ O que não tinha como evitar Angel. Ou ela ou nós. Não tem escolha.
_ leve-a de volta a masmorra onde e cuide pra que ela sofra a metamorfose sem se matar. – disse Michael serio. – não dá pra brincar com fogo agora.
_ Eu não aprovei isso.
_ Ninguém pediu a sua opinião Angel. Se a Buffy veio aqui hoje então ela tinha ciência da gravidade da situação e se ela deixou transformar é porque ela quis ninguém a obrigou. Ao contrario de você e daqueles anarquistas lá fora eu não vim brinca de ser vampiro eu vim defender a espécie a qual pertenço agora quer eu goste ou não – Dizia ele com um brilho nos olhos que quase chegavam a queimar quem o visse – Então se terminou o seu piti faça-me o favor de levar ela daqui antes que ela morra por falta de cuidados.
Angel sabia que não tinha muita alternativa naquele momento. Ele se aproximou de mim, tomou em seus braços e em levou de volta ao muquifo em que eu estava hospedada pra me recuperar do sequestro. Agora eu teria que me recuperar de algo muito pior. Transformar-me em vampira. Justo a espécie que eu mais caçava durante boa parte da minha vida. Se para mim não estava sendo fácil, para o Angel muito menos.
Enquanto Angel corria o mais rápido que podia comigo nos braços, já que o trajeto era longo e pelo meio da rua sem proteção alguma do sol. Um perigo para um vampiro primário como ele. Eu estava sentindo minha vida indo embora e mergulhando em um mundo onde tudo que era diferente e mortal. O sono da morte veio rápido para mim, ainda no meio do caminha deixei de ser humana e passei a ser esse monstro que sou hoje. Mas como nada nesse mundo das trevas vem de graça pra ninguém. Eu tive que penar um pouco pra conseguir renascer nele.
Angel cuidou de mim enquanto estive “morta”, minha transformação foi mais longa e sofrida que a de Michael. Embora eu deduza hipoteticamente o fato já que ele nunca comentou o fato comigo. Desde que conhece Michael nunca entendi o porque de eu estar tão interessada no que ele pensava ou agia comigo. Não sei se pode ser amor. Espero que não seja, seria muito ruim uma rival como a Angel. Ela é linda, carismática, tem um humor que se adéqua ao dele. Já eu sou ate bonita, mas não tenho metade do que ela tem embora a Aurora seja um dos atrativos de qualquer vampiro. Mesmo desacordada eu podia ouvir tudo que acontecia a minha volta. Não sei se por conta da transformação ou por ser uma experiência pós morte, mas sei de tudo que se passou naquela caverna comigo:
_ Ela já acordou? – Pergunta Michael serio ao pé da porta.
_ Ainda não.
_ Alguns casos demoram um pouco pra finalizar o processo. Eu não sei se ela vai conseguir ou ficar presa nela mesma pra sempre.
_ Você não disse isso a ela.
_ Ela me ocultou informações, só estou sendo justo e equilibrando o jogo.
_ As pessoas diziam coisas boas sobre você. Como mudou assim?
_ Isso foi em um passado medíocre que eu quero esquecer. De tanto apanhar das pessoas errada acabei aprendendo a bater também. Quer ganhar a minha confiança? Agora vai ter que provar que a merece. O Michael bobinho, manipulável, fácil de enganar morreu no dia que o palco desabou sobre mim. – Eu percebia o tom de ódio na voz de Michael. Obvio que ele estava magoado comigo, mas porque? – Angel precisamos conversar sobre o seu processo de quebra do feitiço.
_ Ah sim. O feitiço.
_ Vai querer continuar como vampiro agora que a Buffy é uma? Ou quer seguir em frente?
_ As coisas mudaram muito nas ultimas 24 horas.
_ Sim. Mudaram. Antes de tomar qualquer decisão saiba que as coisas no mundo dos primordiais são bem diferente. Assim que a Buffy acordar ela vai ter que arrumar um marido para protegê-la e não creio que você por ser de muitas gerações a frente consiga banca-la.
_ O que você quer dizer com isso Michael?
_ Estou dizendo que por mais que seu amor por ela seja grande. Vocês não vão poder ficar juntos ao mesmo que mostre no cerimonial que tem força o suficiente pra isso.
_ Cerimonial?
_ Cerimonial de casamento. Todos que são transformados sem exceções são obrigados a passar por ele. Com a Buffy não será diferente. A Buffy possui um poder gigantesco dentro dela e qualquer vampiro em sã consciência vai querer tomar posse dela. É bom você decidir logo o que quer da vida Angel. A briga pela Buffy vai ser grande e eu definitivamente não pretendo entrar nesse mata-mata. – Michael sai pelos corredores escuros do local sem olhar pra trás deixando Angel intrigado.
_ No que consiste esse ritual?
_ Sexo Angel. Sexo diante do Clã inteiro. Acha que consegue?
A noticia me deixou perplexa. Sexo diante de um clã inteiro não estava nos meus planos e nem nos dos Angel. E que inferno de ritual era esse afinal? Porque eu e Angel não poderíamos ficar simplesmente juntos? Eu precisava romper logo essa barreira que estava sobre mim pedir explicações urgente a Michael.
Enquanto tudo se resolvia entre Michael e Angel. E eu estava lutando pra acordar desse pesado que me encontrava. Meu mundo está virado, estava tenho cada vez mais pesadelos. Parecia que a minha vida inteira estava sendo passada diante dos meus olhos e ironicamente os vampiros que eu tinha matado estava vindo me assombrar nessa nova vida.
Meu passado era repulsivo para os vampiros. O que me aconteceu parecia ate uma afronta ou desonra transformar uma caçadora em vampiro. Para muitos eu tinha que ser morta assim como eu fazia com os meus “inimigos.” Angel ficava ao meu lado tentado adivinhar o que se passava comigo e não era nada bom e a minha vida literalmente estava se complicando:
_ Acorde Buffy. Eu preciso de você meu amor.....




Confesso que tive um prazer mórbido em tomar da Buffy naquela hora. O meu anjo quase foi destruída por uma imprudência dela. Se Buffy não tivesse sobrevivido o Clã inteiro estaria em perigo agora sem a informação. Não quero ser mal ou cruel com ninguém. Mas a fase de ser bonzinho tinha acabado naquele show a princesa. Minha espécie era outra agora e eu não queria ser destruído por ser fraco nesse mundo. Quase me mataram de todas as formas que podia quando era humano. Nesse as coisas seriam diferentes. Sai daquela masmorra e da casa Torreador no mesmo pé que entrei. Claro que não poderia dispensar um aperitivo antes de sair.
Eles estavam cientes das regras. Nada de matar enquanto estivéssemos ali, mas nada que um banquete na qual a vitima não saísse em um estado grave de anemia não fosse permitido. Obviamente que cabeças rolariam se a pessoa em questão não aguentasse a debilidade:
_ Seja bem vindo Principe vampiro. – cumprimentou a jovem e esquia líder da casa – Espero que sua convidada esteja sendo tratada a seu grado.
_ Está sim. Deixe a porta da sela aberta, ela é uma de nós agora.
_ Isso me deixa feliz. E que foi o autor da obra? Vossa majestade presumo?
_ Não precisa de tanta reverencia mademosele. Não sou da realeza.
_ Mas a cidade é sua. E só podemos estar aqui por sua permissão. Respeito é o mínimo que devemos ao senhor.
_ Respondendo a sua pergunta. Sim foi eu que a criou.
_ Então devemos respeito a ela também. Deseja nos acompanhar em um banquete de sangue? Obviamente adaptado as suas exigências.
_ Claro que sim. Estou faminto, não me alimentei hoje.
_ As coisas estão complicadas pra todos. Me acompanhe a te a sala de banquete por favor.
_ Primeiro as damas.
_ Quanto cavalheirismo. Não se encontra mais homens assim nos dias atuais.
_ Fui criado a moda antiga. – Esboçando um leve sorriso.
_ A sua jovem esposa já se encontra completamente curada – Disse ela o fitando fixamente.
– Onde ela está? – Disse com um brilho de felicidade no olhar – Preciso vela.
_ Irei chama-la. Rober – Chamando o escravo – traga a esposa do príncipe agora.
_ Sim minha senhora. – Sai o rapaz em disparada para a ala de dormitórios da velha mansão.
_ Pensei que ela não iria sobreviver devido a gravidade dos ferimentos.
_ Também tive a mesma sensação. Estou Feliz que ela tenha conseguido assim não vou precisar arranjar outra tão cedo.
_ Mas o senhor pode ter quantas esposas quiser. Sabe disso não sabe?
_ Sei. Mas eu não quero outra mulher que seja ela. Eu tenho uma divida de gratidão com a Angel e não preciso e nem quero desonrá-la.
_ Entendo.
_ Ela me tirou de um coviu de cobras que nunca pensei que conseguiria.
_ Não sei quem tem mais sorte. Ela ou o senhor.
_ Como assim?
_ Enquanto o senhor esteve fora e ela inconsciente ela só o chamava. – disse ela antes de sugar uma vitima – percebi que ela o ama muito.
_ Não sei se posso acreditar nisso. Ela é muito fechada, quase não fala sobre e quando tento falar sobre o assunto ela desvia o foco.
_ Eu sei o que ouvi meu senhor. Ela o ama sim. Perceba pelas atitudes dela. Todos nós temos o dom de nos comunicar mentalmente com quem são do mesmo clã. Ela poderia te mandando a mensagem mental certo?
_ Certo.
_ Então porque ela foi se ela poderia te mandar a mensagem pela mente se não te amasse? – Mulher sabia essa terei trabalho extra agora.

avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 3:59 am

Capitulo XIIICorrendo Atrás Do Prejuízo.




Por Buffy

Angel assistia a tudo com muita paciência. Já havia se passado a mais de uma semana que Michael tinha efetuado a minha transformação e nada de eu acordar. Mas uma visita mudaria tudo:
_ Michael que bom que você chegou.
_ Ela ainda não acordou?
_ Não.
_ Isso é estranho. Já era pra ela ter acordado – Pensativo. – Traga alguém humano para cá. Vamos fazê-la acordar.
_ O que pretende fazer?
_ Ela já dormiu de mais é hora dela acorda de uma vez.
_ É Michael, parece que os portadores da Aurora tem uma característica em comum. São difíceis de despertar – Dizia Andrei ao pé da porta observando a tudo. – com você foi igual.
_ Menos eu. - Dizia Angel surgindo do nada – Mas que me deu um baita susto ah isso deu sim.
_ Vocês amam aparecer do nada né? Disse Michael surpreso com tudo – vamos me ajudem a fazer essa moça acordar já dormiu de mais.
_ Será que você fez tudo certo Michael? Eu não te ensinei a fazer não tive tempo.
_ Torcendo para que sim.
_ Se não fez acho que vamos ter que enterra-la.
_ Vocês são pessimistas – Disse Michael serio aos dois novos visitantes – sei que não sou experiente no assunto, mas sei muito bem como fazer pra não matar alguém e ela ainda estava viva quando dei meu sangue pra ela. Sem falar que ela quase me seca junto.
_ Então você fez tudo certo – Disse Andrei calado pensando nos fatos – Acho que a transição varia de senhor pra senhor.
_ Como assim Andrei?
_ Michael teve dificuldade pra acorda quando você o transformou no estádio. Então isso deve ter ficado como herança genética dele. Isso vai passar pra cada uma das crias dele.
_ E preás gerações seguintes também?
_ Sim. Os herdeiros das crias dele serão iguais a ele. Todas precisaram de ajuda pra despertar.
_ Se eu soubesse desse detalhe eu não tinha feito. Passava pra outro.
_ Calma Michael. A gente também não sabia disso. Então estamos com o mesmos problema.
_ O jeito vai ser fazer igual fizemos com Michael Andrei.
_ Traga o humano e corte o braço dele e deixem-no preso com ela. Só podemos esperar.
Não sei bem o que pretendiam com aquilo, mas eu não ia de forma alguma matar um ser humano. Espécie a qual nasce e passei a minha vida toda defendo. Se eu tivesse que passar boa parte do meu tempo de vida como vampira assim eu ficaria com o maior prazer. Mas não sei bem o que aconteceu exatamente quando eles os trouxeram. Michael ficou do lado da cama e fez o corte no pulso assim como ele tinha dito que o faria. O sangue fresco e doce começou a pingar em meus lábios assim como na hora que ele me deu o dele. Em um impulso que não sei de onde veio eu simplesmente voei no braço do rapaz e suguei como se minha vida dependesse disso. O pior que dependia. Ou melhor iria depender para sempre. Se não fosse impedida teria matado o rapaz. Depois de acordar a força fiquei meio tonta e quase desmaiei. Angel me segurou e me pós de volta a cama:
_ O que aconteceu aqui? – Perguntei meio confusa.
_ Bem vinda de volta Buffy – Dizia Michael encostado na porta junto com a sua comitiva.
_ Você quase que não acordava garota. Ficamos preocupados.
_ Deveria ter me deixado como estava. Não quero matar ninguém.
_ Você não vai. Eu não mato pra me alimentar. É mais fácil de nos ocultarmos do mundo e quem acreditaria em um devaneio de meio de noite ou sonho de alguém.
_ Não se preocupe que você vai aprender tudo. – Se pronunciou Andrei que estava calado ate então. – posso te ensinar a sobreviver aqui.
_ Era tudo que eu queria. Aprender a ser um chupa sangue isso é muito excitante.
_ Não mandei carregar a Aurora no seu corpo. Então agora aguenta – Disse Michael serio se virando pra sair – Acho bom se preparar pro seu casamento que acontecerá em breve.
_ Casamento? Você ta brincando não é?
_ Antes fosse. É bom você se preparar também se quiser ter a Buffy do seu lado pra sempre. Vai por mim, aquilo não é fácil.
_ Que casamento é esse?
_ O Andrei te explica tudo. – Disse ele pegando na mão da esposa – Vou ver quando é a data do seu ritual. Ate lá preparem-se. Fui-me
Esses mistérios do Michael me deixam louca. Andrei era simpático e bem prestativo. Ele parecia ter mais conhecimento que Michael do assunto e me seria bem útil ao que iria me acontecer. Angel ficou na sala calado o tempo todo. Parecia saber de algo que não queria ou poderia me contar. Enquanto Andrei me ensinava tudo que eu precisava apenas o observei no canto da sala cabisbaixo:
¬_ Buffy preste atenção ao que vou te dizer. Não é porque a Aurora vive em você que você deve se descuidar. Como qualquer vampiro que se preze a luz do dia é fatal. Michael e a Angel são os únicos que tem esse dom de andar durante o dia sem ser afetado. - Disse Andrei.
_ Mas não sou uma cria dele? Tudo que ele tem, tem que passar pra mim. – Observei o fato. – É uma regra inquebrável não é?
_ Essa é a teoria. Mas não sabemos na pratica se será assim. Nem se sua resistência é boa o suficiente pra aguentar a força do sol o dia todo. Não vamos brincar com fogo ate termos certeza das suas habilidades ok?
_ Ok! – Revirando os olhos – Vou ter que ficar aqui presa ate quando?
_ Até o sol se por daqui a quatro horas. Até lá arrume algo pra fazer. Pratiquem o ritual – Disse Andrei seguindo em direção a porta.
_ Você não me disse pra que serve esse ritual.
_ Em breve você vai saber. Por enquanto melhor praticarem o Angel vai precisar de muita pratica pra poder consegui ficar com você. – Michael disse malicioso como sempre me deixando mais confusa do que eu já estava. – Ah antes que eu me esqueça. Durante os próximos três dias não saia na luz do dia ou pode virar pó.
_ Como assim? – Estranhei – Michael você não disse que ia embora?
_ Tá bom já foi mesmo. - Sumindo pelos corredores.
_ Nossa resistência ao sol depende disso, quando mais tempo ficarmos longe dele no começo de nossa não vida mais podemos sair nas ruas sem que eles nos afete e ate viver entre os humanos sem levantar suspeitas. – completou Andrei desconfiado. – como nem Michael e eu sabemos como funciona isso melhor seguir o que ele disse. Suspeito que isso seja para desenvolve-la caso a tenha.
_ Valeu pelo aviso atrasado.
_ Disponha.
_ Onde está o Gele? Eu preciso falar com ele e explicar o que aconteceu.
_ Posso mandar chama-lo, mas duvido que ele venha em um lugar que só tem vampiro.
_ Tenta, por favor.
Michael parecia um pouco mais calmo depois das coisas e eu não sabia porque, afinal a menos de dois dias ele queria me ver morta e enterrada. Segui todas as orientações que me foram passadas. Menos a que se referia ao ritual misterioso ao qual eu tinha que passar. Agora Angel estava muito nervoso e não conseguia parar de andar de um lado para o outro quando estava comigo ou quando não sumia por horas sem me dizer a razão real de tudo. Enquanto ele desaparecia Gele veio ate mim como havia pedido. O que me distraiu um pouco:
_ Acho bom que tenha um bom motivo pra me trazer aqui em um esconderijo de vampiro. – Gele era espero e já sabia que a cidade estava cheia de vampiros antes mesmo que eu o contasse.
_ Desculpe – sorri pra ele mostrando um par de pressas enormes. – Não tive escolha.
_ São de verdades não é? – Perguntou serio.
_ São.
_ O que eu temia aconteceu Buffy. Michael me contou tudo, ate mesmo sobre o ritual que você vai ter que passar.
_ E seu eu não quiser?
_ Você não tem escolha Buffy. Todos aqui têm um protetor em algum nível. Michael protege a mulher dele. Andrei era pra ser o protetor dela, mas falhou no ritual. Mas Michael é um grande candidato a ser o seu protetor nesse ritual.
_ De jeito nenhum. Tá louco? Eu não quero ele mandando em mim.
_ Acho que nem ele quer. Todos estão cientes que ele não vai participar, mas a expectativa dele mudar de ideia existe.
_ me recuso a ser proteção dele.
_ Michael tem direito em você por ser seu criador, mas isso não dura muito. Somente o tempo de você aprender o que precisa depois ele não pode fazer mais nada.
_ E o Angel como fica nessa historia?
_ Ele vai tentar a sorte, mas como ele é de outra linhagem creio que ele não consiga.
_ E quanto tempo dura esse ritual?
_ Dois dias é o mínimo que se exige para se ter o poder sobre você.
_ Uau!!! Ainda bem que da pra descansar.
_ Não, não dá. Acontece com todos os vampiros assistindo o que vocês fazem.
_ Você tá brincando?
_ Pergunte ao Michael quando o ver. Ele passou por isso assim que ele ganhou as suas presas.
_ Por isso o Angel está tão agitado. Ele sabe de tudo e não me contou nada.
_ Relaxa Buffy o Angel vai conseguir passar pelo ritual.
_ Mas eu não quero passar por esse ritual Gele.
_ melhor ir se conformando porque esse ritual é irrevogável. E mesmo que ninguém consiga ele se repetirá ate alguém conseguir.
È parece que meu destino vai ser mesmo virar uma vampira vadia. Já que todos os homens, ou melhor, vampiros ia tentar a sorte comigo. Ironia eu sempre tentei não ser a mais saidinha da turma e agora é exatamente o que vai acontecer. O meu piti na frente do Gelle não era atoa:
_ Calma Buffy. Isso só acontece uma vez se você tiver sorte.
_ E se eu não tiver?
_ Por isso que Andrei pediu pra você praticar com o Angel. Se ele conseguir ninguém mais separa vocês.
Espero que esteja certo. O Angel não vai aguentar viver nesse mundo sabendo que teve a chance de me ter pra sempre e perdeu.
Mas o destino guarda muitas surpresas e eu nem imaginava quais eram....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:03 am

Capitulo XIVAmores Antigos, Novos Problemas.




Os dias iam se passando e ambos os candidatos estavam uma pilha de nervos com a possibilidade de perder um ao outro. Angel buscava de todas as formas sair dessa situação. Era fato que ninguém poderia impedir de que Buffy fosse de outro homem que não fosse ele, mas ele iria lutar de todas as maneiras pra escapar dessa sina de solidão a qual ele vivia desde que conheceu sua amada Buffy. O clima estava tenso:
_ E você bonitão não vai concorrer ao premio do ano? – Perguntou sua amada.
_ Não quero outra além de você na minha vida.
_ Que bonitinho. Sabia que você não está sendo descartado da disputa não é?
_ Você está bem informada heim moça? Qual o seu objetivo com isso?
_ Nada.
_ Me convença – Diz ele com um sedutor sorriso nos lábios. – Sei que tem algo mais ai nesse seu papinho sem motivo aparente. Anda me fala logo.
_ O que você quer que eu faça pra te convencer? – Malicia na voz.
_ Use sua criatividade.
_ Engraçadinho. Fique sabendo que não vão te deixar escapar dessa, ouvir dizer que você é a única opção de proteção dela.
_ Por quê? Só porque eu fiquei todo aquele tempo com você na nossa primeira vez? – Serio – Você está brincando. Eu não pretendo passar por aquilo de novo. Não, não nem pensar.
_ Não só por isso. Você vem se mostrando melhor que a encomenda. – Fala ela se aninhando nos braços dele.
_ Fala serio, Angel. – alisando os cabelos dela – Eu nem to perto disso ainda. Mal cheguei e não passo de um recém-chegado.
_ Analisa Michael. Você ganhou o respeito do mestre e todos aqui no Clã, conseguiu sobreviver ao ritual sem grandes consequências embora pra outros vampiros tenha sido quase fatal. É ágil, astuto, esperto e principalmente forte. Candidato perfeito. Qualquer vampira em sã consciência sairia no tapa pra te ter nesse ritual. Eu sairia. – Diz ela se virando de costas sem desfazer do abraço.
_ Tá me dizendo que quer uma rival? Uma competidora? É isso que eu ouvi? – Diz com ar de desconfiado a Angel.
_ Não. Só estou dizendo que se ela tem que ficar com alguém que seja com você. Alem do mais você pode passar seu direito ao Angel. Nada te obriga a ficar com ela, a não ser que você queira ficar com mais uma esposa.
_ Olhando por esse lado. Você tem razão. – Diz pensativo – Mas eu não quero outra esposa uma já me dá trabalho de mais. - Risos
_ Seja esperto meu amor e tudo se resolve.
_ Sei. – Desconfiado – E você aguentaria saber que eu me deitei com outra? Não iria morrer de ciúmes? Confessa vai?
_ Não força Michael.
_ Já me deu sua resposta – Saindo as gargalhadas.
Angel sabia que a historia dos dois era muito forte pra terminas de qualquer maneira. Ela conhecia o caráter de Michael e sabia que ele passava longe de ser um homem aventureiro, mesmo assim seu coração ficava pequeno com a possibilidade de ter outra junto dela mesmo que por obrigação. Caso não houvesse ninguém que conseguisse domar por assim dizer a Buffy no ritual Michael poderia ser convocado pra participar. Mesmo ele querendo ou não se o mestre chamasse ele teria que atender a contra gosto. Essa possibilidade era possível:
_ Pensativa? – Pergunta Andrei chegando de surpresa – Eu ouvi a conversa de vocês sem querer.
_ Sempre de vigia Andrei.
_ Desculpe não foi a minha intenção. Mas conte-me o que te preocupa?
_ Esse ritual me preocupa e tudo que envolve ele.
_ Você sempre soube que depois da façanha dele no seu ritual de casamento sempre haveria possibilidade de Michael ser chamado para os próximos. Não há como fugir disso ele é uma raridade entre nós e por consequência é bastante concorrido.
_ Eu sei disso. Só que é um saco estar sempre nessa expectativa do que pode acontecer se houver um próximo.
_ Michael é fiel a você e sempre será. Depois do seu ritual ele já foi reivindicado por varias mulheres aqui do Clã. Todas o queriam como protetor. Sem ele não fosse fiel a você já teria um arem a sua volta. Fique tranquila.
_ Gostaria que esse ritual fosse um combate entre homens ao invés disso.
_ Acredite eu também queria. – Andrei baixa os olhos e sai em direção a onde ele veio.
O coração de Andrei sempre bateu forte por aquela jovenzinha fã do MJ que um dia ele ousou a tocar suas presas. O que ele não poderia prever era que ela nunca seria dele e que passaria a eternidade assistindo a felicidade do “rival” que era pra ser dele. Andrei sabia que mesmo em uma luta de igual pra igual com Michael ele não se daria bem. Seu rival era mais forte e esperto coisa que ele pouco foi. Saberia que se entrasse em combate com ele morreria ainda no primeiro Roud. A única maneira que ele encontrou pra não sofrer mais com a solidão e a dor de seu amor platônico foi ser amigo deles.
_ E ai vai encarar a Buffy no final do mês? – Pergunta esperando uma resposta positiva de Michael.
_ Já tem data marcada?
_ Sim. Final do mês, ultimo domingo. Porque o espanto?
_ Nada de mais. Pensei que iria demorar mais um pouco pra acontecer.
_ O mestre tem pressa. E então vai ou não participar?
_ Não pretendo e nem quero. Vá você no meu lugar – Batendo no ombro de Andrei – você precisa mais do que eu de uma esposa.
_ A única que eu queria você já conquistou.
_ E por causa disso você vai se fechar pra outras?
_ Michael.... – respirando fundo e sendo interrompido.
_ eu sei que me mete onde não devia, mas você não conseguiu segurar a bomba o que eu posso fazer? Sei que como mestre dela você tem mais direito do que eu a ela. Mas o que posso fazer se fui o único no clã inteiro que conseguiu “domina-la”?
_ Não estou te culpando de nada Michael....
_ Então para de se lamentar pelos cantos e se de uma chance de conseguir alguém. O mestre não vai deixar transformar ninguém por um longo tempo, quer mesmo ficar quase a eternidade toda me vigiando e a ela? – Silencio – Eu no seu lugar tentaria buscar uma companhia pra mim. Sei que o amor nas sombras é eterno. Mas não se martirize para sempre por uma coisa que você não conseguiu.
_ Vou me embora antes que eu brigue com você e me arrependa depois.
Andrei saiu pisando duro em meios as gargalhadas de Michael, ele sabe que o amigo está certo. Ate quando ele iria viver esperando pela chance de fazer a sua jovem cria feliz? E pelas habilidades que Michael vinha mostrando ter ele não iria ter nunca essa chance. Embora nunca tivesse lutado em vida o ex-astro se mostrava um exímio lutador. Dominava facilmente qualquer arte que lhe fosse mostrada. O que causava ate um certo espanto para o próprio que desconhecia tais dons. Andrei sabia que Michael tinha vindo pra ficar e era questão de tempo ele alcançar os mais altos níveis do mundo das sombras. Sua cria o amava com toda a força que lhe tinha em sua alma sombria, isso era fato. Por ela e somente por ela ele a ajudou a salvar a vida de Michael que provavelmente não estaria aqui se não fosse por Andrei ensinar Angel a trazer e a transformar Michael no que era hoje. Foi um preço alto que Andrei teve que pagar pra poder conviver com sua cria. Ele lhes seria fiel pela eternidade ou ate sua morte se for necessário.



avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:06 am

Capitulo XVMudando O Cativeiro



Os dias iam se passando tão rápidos que mal dava tempo de pensar em nada. Ninguém sabia o motivo, mas os ataques dos anarquistas haviam cessado por completo. Porem Michael não deixava sua posição de alerta em hipótese nenhuma. Algo dentro daquele rosto de artista ingênuo o deixava ainda mais desconfiado. Parece que foi preciso que ele morresse para que seu desconfiometro ligasse e ao que parece veio ligado no Maximo:
_ Quem diria Michael seus instintos aqui são de causar inveja a qualquer um. – indagou um lorde antigo.
_ Nem eu sabia que os tinha, estou tão surpreso quanto você. – disse sem desviar o olhar do horizonte.
_ Não adianta fugir Michael. Por mais que ame a Angel você terá que enfrentar as responsabilidades que o seu clã exige. Angel não escolheu em qual clã cair apenas aconteceu e agora você também.
_ compreendo as responsabilidades impostas Lorde Mozart, mas bem que eu poderia ter o direito de participar ou não.
_ São regras impostas a séculos amigo, aceite. Se não quiser ela passe para outro. Não se esqueça que você também é o mestre de Buffy querendo ou não você é indispensável para o ritual.
_ Ainda tem esse pequeno detalhe......
Não faça essa cara de que hoje não é o meu dia que não me convence em nada senhor Jackson – Diz Angel chegando de surpresa – Já disse que por mim tudo bem, certo lorde Mozart?
_ Angel não vou discutir com você sobre isso.
_ Não estou discutindo. Estou mandando.
_ Eu sou sei marido sabe disso?
_ E eu sou sua mestre não esqueça você. Nessa relação eu mando mais que você.
Acho que você perdeu meu jovem. – Disse o ilustre pianista as gargalhadas – O poder do mestre sobre a cria são indiscutível.
_ Saco
_ Olha Michael eu não quero usar meu direito de mestre sobre você, mas se isso tem que ser feito então vamos nos conformar e fazer de uma vez e pronto. Estender isso não vai nos ajudar em nada.
_ Ela está certa. Quanto antes melhor. Se o amor de vocês for tão forte quanto parece vai sobreviver a esse e aos outros que vierem.
_ Ok. Ok vocês venceram tá bom? Eu vou. Mas no próximo eu vou viajar e sumi do mapa meses antes e depois. – Michael tenta sair furioso com o papo, mas Angel o impede.
_ Ô seu moço.
_ Que é Angel. – rude.
_ Vai deixar o senhor Wolfgang Amadeus Mozart falando sozinho é?
_ Quem? – Surpreso.
_ Senhor Joannes Chrysostomus Wolfgangus Theophilus Mozart pra ser mais exata. – Diz sorrindo. – Isso mesmo que você ouviu.
_ Mas ele não morreu em 5 de dezembro de 1791?
_ Sim meu jovem. Morri para o mundo dos humanos e renasci para os vampiros.
_ Nem vou pergunta os motivos desse sumiço, pois tenho certeza que serão parecidos com os meus. Mas isso pra mim é novidade.
_ Cuidado Michael Tchaikovsky e Michaelangelo estão por aqui.
_ Serio? – Chocado – Eu vou adorar essa minha pós vida.
Apesar do papo ser descontraído com todos e Michael conversar com um de seus ídolos musicais contemporâneos. As coisas estavam ficando muito calmas pra situação que nós tínhamos vividos. Isso preocupava Michael de todas as maneiras possíveis. O selo que ele havia posto tinha sido rompido. Seu sentido de alerta estava ligado ao Maximo, mas ele não tinha ideia do que ou porque disso. Em seu intimo ele meio que desconfiava que alguns anarquistas tinha invadido a cidade em momento de descuido ou ate mesmo quando as defesas tinha sido quebradas com a minha captura e o ferimento da Angel. Michael contava com a sorte para descobrir a verdade:
_ Está muito calado ultimamente Michael. O que lhe aflige? – Diz o mestre invadindo os aposentos de Michael sem ser anunciado – Seria o ritual de casamento de Buffy presumo?
_ Não meu senhor. Sinto que algo grave esta pra acontecer e creio que aqui não é mais seguro para o senhor – Fazendo uma reverencia ao Mestre.
_ Sabes de algo que eu não sei?
_ Ainda não. Desconfio que alguns anarquistas invadiram a cidade, mas não sei quanto e não tenho confirmação do fato.
_ Suas desconfianças são vagas porem fundamentadas. Entendo que com o sequestro de Buffy o selo pode ter sido rompido. Sua prudência é correta. Já deves saber que não será dispensado do ritual não é mesmo Michael?
_ Sim mestre. Não me sinto confortável com isso.
_ Entendo. A jovem que o transformou o amava muito para se arriscar ao ponto de trazer uma celebridade como você ao nosso ceio. Entendo que queira honra-la com sua fidelidade.
_ Sim senhor.
_ Mas quero lhe informar que descentes da Aurora são os únicos que podem ser protetores de outro descente da Aurora.
_ Não entendi senhor.
_ Nunca em nossa historia tivemos um único ser com esse dom, sempre são dois. Nesse caso são quatro. Você, Angel, Andrei e Buffy. Em todos os rituais nunca um vampiro comum conseguiu ser guardião de uma mulher que possuísse o dom. Sempre era outro que o tinha. Aquele que tentasse, sempre era queimado durante o ritual.
_ Então quer dizer que se o Angel tentar......
_ Ela o destruirá assim que o ato começar. Torça para que Andrei consiga repetir a sua façanha com Buffy, assim você não precisará passar por ele caso contrario....
_ Ela vai extermina o Clã inteiro no ritual.
_ Que bom que você é esperto e pega as coisas rápido. Seja prudente Michael e não deixe que as coisas pro nosso tão sofrido Clã seja insuportável. Prepare-se em poucos dias as coisas podem se tornar difíceis.
_ Sim senhor. Entende o recado.
_ Assim espero. Não falte ao ritual Michael. Ficarei muito decepcionado com você se faltar.
_ Não faltarei senhor. Não faltarei.
Michael sabia que as coisas agora estavam alem de se complicar ainda mais, estavam se encaixando também. A Aurora não era só uma benção para um Clã, mas também uma maldição. Como os costumes de cada Clã se modificam e suas necessidades e hábitos alimentarem, assim como os dons são diferentes. A Aurora pode ser uma benção ou uma maldição dependendo de onde ela vai e de como ela é usada por um Clã.
No caso desse eu poderia ser uma verdadeira maldição a ser anunciada se Michael e Andrei não forem bem sucedidos no ritual. Só o mestre sabia do tamanho da tragédia que se anunciava. Por isso ele convenceu Angel a convencer Michael a ir ao ritual mesmo a contra vontade ela. Michael entendeu a insistência de sua amada quando o mestre lhe revelou o que poderia acontecer se nada no ritual desse certo. Ambos, Michael e Angel, tinham a plena consciência que o Clã era mais importante que qualquer sentimento que se podia ter ate ali. Mesmo sabendo dos riscos o amor entre eles era mais forte e falava mais alto.

avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:08 am

Capitulo XVIO Bicho Ta Pegando




Finalmente chega o dia do ritual, do meu ritual. Não vai ser fácil aquela fila de homem querendo meu corpo. Sai da casa onde estava confinada ate a mansão onde Michael estava entocado com o tal mestre. Cada passo que eu dava os olhos desejosos dos vampiros me dava nojo. Todos queriam de alguma forma me ter e não havia duvida que todos estariam lá pra tentar sua vez comigo. Estranhamente não vi Michael em momento nenhum do trajeto. Imaginei que estaria em alguma batalha ou resolvendo algo dos conflitos.
Sabia que Michael era obrigado a aparecer e uma hora ou outra isso iria acontecer, só não sabia quando. O mestre havia sido claro como água quanto as consequências de sua recusa. Ele não tinha escolha, tanto ele quando Angel. Michael em sua nova posição era o mais cobiçado do todos os homens do clã não importava se queria ou não, seu nome sempre era o primeiro da lista. O meu Angel estava consciente do quanto seria mortal pra ele ou pra qualquer um que tentasse arriscar a sorte comigo, mesmo assim decidiu correr o risco.
_ Buffy seja prudente e controle a sua aurora. Não mate ninguém está entendendo? – disse a Angel do Michael com um olhar nada amigável e completou – caso contrario será morta antes que faça uma chacina com os homens do clã. Não queremos isso não é?
_ E você só me avisa agora? – Falei com um tom de ironia na voz peculiar meu.
_ Você se enfio na alcova esses dias todos e ninguém conseguia se comunicar contigo, tu queria o que? – Soltou ela com fúria na voz. – Pelo jeito você aprendeu muito bem a se desligar desse mundo, Michael foi varias vezes te chamar pra te passa as orientações de hoje e nada. Então pare de gracinha que temos pouco tempo aqui.
Essas palavras matar e desligar foram como uma facada pra mim. Eu não queria me envolver em nada dali e pensei que ficando em off do mundo isso não seria necessário. Ledo engano meu. Antes era eu quem os matava e não eles a mim. Precisava entender que as coisas mudaram muito depois do beijo de Michael. E essa adaptação seria muito difícil pra mim. Minha realidade era outra e completamente nova agora.
Não sei se ser uma caçadora de vampiros vampira iria ajudar muito, também não sabia se os meus dons de caçadora ainda estavam comigo ou se já haviam sidos passados para uma nova. Só sei que eu iria aproveitar a chance de conhecer melhor esse novo mundo que se mostrava a mim. Querendo eu ou não.
_ Onde o Michael estar? – Perguntei já desconfiando da resposta.
_ Não se preocupe que ele vai aparecer. Agora vá.
Fui conduzida a uma espécie de arena vazia. Onde havia uma cama casal confortável e vários lugares vazios nas arquibancadas, mas algo me dizia que eles não estavam vazios como aparentavam. Fui obrigada a me despir dentro daquela arena enorme. Duas mulheres que haviam me levado ate a cama levaram minhas roupas embora. Nunca senti tanto medo em minha vida. Logo um homem alto musculoso com cara de poucos amigos entrou e ao que parece ele seria o primeiro.
_ Muito bem dona caçadora. – Proferiu ele com ar de maldade na voz – vamos ver se serei o seu dono – riu estrondosamente de sua observação. Obviamente que não queria que aquele brutamonte me tocasse e por mais que eu tentasse não conseguia sentir a presença de Michael em lugar nenhum. Lutei o Maximo que pude pra evitar que aquele brutamonte me tocasse, mas não tive jeito de impedi-lo. Não sabia como usar minhas novas habilidades e isso não me ajudou em nada. Maldita hora que eu me desliguei do mundo. Agora reclamar é tarde. Aquele monstro em forma de gente parecia que não sabia o que era água a anos. O fedor dele era insuportável para mim. E não tinha como espaçar tinha que enfrentar aquele ogro.
Ao primeiro toque daquilo que se intitulava homem meu corpo inteiro reagiu como se uma bomba atômica tivesse sido detonada dentro de mim. Um fogo percorreu casa vazo do meu corpo, notei que meu corpo começou a esquentar acompanhado de uma dor incontrolável. Não sei o que houve só vi um clarão tomando conta da sala e o brutamonte sumir em cinzas do nada. Houve um silencio descomunal na arena.
_ Chamem o Michael agora – Disse discretamente a um dos rapazes que estavam próximo.
O rapaz saiu voado da arena. Enquanto ele tentava localizar Michael outro infeliz por assim dizer, outro suicida desceu para tentar a sorte. Esse não era menos diferente do anterior. Esse tinha uma cara de mal que não assustava ninguém, pelo menos eu não. Ele desceu da arquibancada com uma pose de rei que ele não tinha. Apenas observei sem me mover do meu lugar. Queria muito ter algo pra me cobrir daqueles olhares ocultos. Ele não teve tempo de me tocar e de novo o clarão tomou conta de lugar e ele havia desaparecido assim com o primeiro.
Aquilo já estava ficando assustador. Observei a cabine reservada para o tal mestre e pude perceber que os olhares dele não eram dos melhores. Algo terrível estava por acontecer comigo. E por mais que eu tentasse fugir, por mais que eu tentasse negar não podia escapar do meu ritual. Me sentia péssima por isso. Notei um burburinho vindo do corredor.
Do nada Michael apareceu mais vermelho do que o de costume, não entendi o porque daquilo. Ele invadiu a arena sem dizer uma única palavra, ao subir em cima de mim, não compreendi o porque ate e o meu reflexo em um espelho posto próximo a nós:
_ Me morde agora. Me morde agora Buffy – Implorava ele muito nervoso – Me morde agora ou você vai morrer.
_ O que está acontecendo comigo? – Perguntei vendo o meu mundo sair do eixo. Eu estava completamente enrugada, parecia que eu tinha uns 80 anos ao invés dos 26 que eu tinha. Aquele visão me causou um pânico que dava pra ver em meus olhos. – O que está acontecendo comigo Michael?
_ Você está sem sangue Buffy. – Dizia Michael ao pé do meu ouvido fingindo me beijar – Seu corpo está reagindo a isso. Em breve você vai desmaia e não vai acordar sem ajuda igual como eu te transformei. Agora me morde logo. – Falou irritado entre os dentes.
Eu não tinha coragem de fazer porque sabia que a Angel estava observando tudo. Michael estava tão decidido a me fazer morde-lo que cortou o pescoço com a unha. Não tive como resistir ao ver o sangue dele escorrer pelo seu pescoço. Cravei meus dentes em seu pescoço com tamanha força que fez Michael gemer de dor. Bebe boa parte do sangue de Michael. Ele fervia em minha garganta enquanto descia parecia tão doce e quente que quase me fez drena-lo por completo.
Não sei o que aconteceu comigo depois de telo mordido só sei que meus olhos escureceram e tudo sumiu ao meu redor.

Michael

Buffy desmaio ao sentir o calor do meu sangue em seu corpo. Mas algo me chamou a atenção. Um barulho grande vindo de fora fez com que todos se assustassem. Um rapaz veio correndo pra dentro da arena em desespero:
_ Precisamos tirar o mestre daqui agora.
_ O que houve?
_ Anarquistas invadindo a casa.
_ Tirem o mestre daqui. – Gritei com Buffy desacordada em meus braços. Assim que vi Angel vindo em minha direção a entreguei a ele e sair correndo em direção a onde vinha o barulho.
_ Michael eles estão na entrada principal – Gritou Angel do outro lado da entrada, mas algo aconteceu.
_ Cuidado Angel. Atrás de você......



avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:11 am

Capitulo XVIIA União Faz A Força






Mal deu tempo dela se virar e se defender. Angel foi atingida em cheio no ombro, mas por sorte não foi fatal. Consegui alcança-la e ajudei a derrotar o miserável que a atacou:
_Você está bem? – Perguntei aflito.
_ Vou sobreviver – Ela disse com a mão no ombro pressionando o ferimento que jorrava sangue – Vai logo eu vou ficar bem. Leve o mestre daqui. Agora – Berrou ela pra mim me mover.
Apesar da minha angustia de vê-la naquele estado tive que correr pra defender o mestre. Corre o mais depressa que pude em direção ao palanque da arena. Estava preocupado com o que poderia acontecer com o nosso criador. Corri pelos corredores que dava acesso a tribuna principal. Para a minha sorte já tinha removido o mestre de lá. Os alcancei no caminho para o esconderijo:
_ Como eles conseguiram ter acesso a cidade Michael? Como? – perguntava furioso.
_ Não sei senhor. Talvez com por causa dos dons de Buffy para a aurora. A linha foi quebrada antes dela ser renascida.
_ E por que não evitaram isso.
_ Tentei senhor, mas pelo que vejo meu esforço foi inútil.
_ fico feliz em saber que é muito esforçado Michael. Só que isso não vai nos garantir proteção.
_ Em parte sim senhor. – Roubando a atenção do mestre. – Com a Buffy renascida a linha foi restabelecida. Quem está aqui dentro sem a marca não pode sair. Assim como quem está fora não pode entrar.
_ Compreendo. Volte para o campo de batalha e vê se toma conta direito da sua cria que ela está nos dando mais problemas que benefícios.
_ Resolverei esse problema assim que eu voltar senhor.
_ Assim espero.
Michael sabia que o mestre não era fácil de se agradar. Por isso todo cuidado era pouco. Ele era o primeiro dos vampiros. Logo seu poder não se igualava a nenhum outro que possa ter existido. Brincar com ele era morte na certa. Nem seus dons da aurora por mais que fossem grande poderiam superar o do criador. De volta ao campo de batalha Michael sabia que tudo que ele fizesse era de grande valia. A caça havia começado. Era questão de honra destruir os invasores. “A ajuda da Buffy agora seria bem vinda” pensou Michael em voz alta. A sua teimosa cria estava desacordada nos braços de seu, por assim dizer, grande amor. Para Michael ela significava um grande desafio a ser vencido. Bela, jovem e muito teimosa. Isso lhe lembrava a ele mesmo quando jovem. Nunca aceitava calado o que seu pai dizia e isso muitas vezes lhe redia surras homéricas.
_ Michael!!!! – Gritou Angel do outro lado da entrada.
_ Angel!!!
_ Achou o mestre?
_ Sim. Ele está seguro. Agora vamos acabar com esses miseráveis.
A cada golpe que Michael dava, mostrava a sua mestra que a sua cria evoluía rápido. O que de certa forma a deixava orgulhosa. Ele sabia se defender melhor do que ela. Por isso as mulheres do clã o queriam tanto. Com ele a existência delas era garantida. Michael tinha um dom de prever o golpe do adversário com muita antecedência. Ele girava com a mesma maestria com a qual dançava e golpeava com a mesma precisão com a qual elaborava seus passos. Tudo o que ele poderia fazer para surpreender os inimigos ele fazia. O histórico de Michael em batalha estava superando os dos guerreiros mais antigos do Clã. Não que tivesse sobrado muitos após a ultima aparição da Aurora. Desde então poucos guerreiros sobraram a serviço do mestre.
Angel o seguia ferozmente. Os que tentavam pegá-lo pelas costas ela dava cabo. E vice-versa. Ambos correram pelo corredor a fim de pegar mais invasores.
_ Quem diria que uma astro da musica lutaria tão bem. – Zombou o Anarquista – pena que essa valentia acaba aqui.
_ Continua sonhando bastardo. Você morre aqui.
_ Não antes de você me passar uma informação preciosa.
_ Não tenho informação nenhuma a lhe dar.
_ Onde está a garota?
_ Não sei de garota nenhuma.
_ Não se faça de rogado ser mega star, onde está a caçadora com o poder da Aurora. Ela será muito útil depois de transformada.
_ Lamento meu caro, mas chegou tarde. Eu já fiz isso por você. – Sorriso maroto na cara.
¬_ Miserável – O Anarquista investiu contra Michael que desviou habilmente, contra atacando ao mesmo tempo. Fazendo com que o rival fosse jogado na parede do outro lado do correr principal. Enquanto enfrentava problemas com o Anarquista Buffy volta a si nos braços de Angel.
_ O que aconteceu?
_ Você desmaiou nos braços de Michael durante o ritual. – Dizia Angel com um tom de voz triste.
_ Que barulho é esse? O que está acontecendo?
_ Anarquista.
_ Preciso ajudar o Michael.
_ Espere você não está bem.
_ Você que pensa Angel. Estou ótima. – Buffy pegou suas armas e partiu em direção em que Michael estava. Sua chegada não seria nada fácil e ela tinha a mesma habilidade que sei mestre e isso ela descobriria na pratica assim que encontrou um inimigo.
_ Vamos ver o que eu ganhei nessa troca de vida pela morte. – Buffy contra atacou com uma velocidade jamais vista por ela. Seus golpes estavam mais rápido do que os poderes que ela havia adquirido quando se tornou caçadora. Seu chute foi muito mais forte do que o anterior. – Nossa que incrível – Indagou ela com surpresa com a potencia que ela tinha jogado o seu inimigo.
Buffy correu em direção a Michael assim que o avistou. Angel a seguia de perto, mas algo aconteceria ali que mudaria o destino de ambos. Buffy era mais rápida que Angel o deixando pra trás. O que foi fatal para ele. Com um golpe certeiro no queixo vindo sabes Deus de onde em Angel. O anarquista conseguiu joga-lo longe de Buffy. Michael percebendo o que aconteceu parou tudo o que fazia e foi tentar ajudar o amigo. Apesar de rapidez com que ele chegará pra socorrer Angel o pior não pode ser evitado. Um golpe fatal fora desferido contra o peito de Angel. Seria um ferimento de fácil cura se a espadada não estivesse embebida no sangue de Buffy. Prevendo que ela seria uma herdeira da Aurora e querendo evitar novas baixas para os Anarquistas, eles praticamente drenaram o Sangue de Buffy. Pra sorte da moça. Michael conseguiu chegar a tempo e salvá-la de estar no lado errado da batalha.
Infelizmente pra Angel isso foi falta.
O golpe de Michael no Anarquista foi fatal. Angel ainda estava vivo quando ele chegou:
_ Angel? – disse Michael se debruçando sobre ele. – Fala comigo. – sem resposta. – Olha pra mim Angel. – batendo no rosto.
_ Michael. – dificuldade ao falar.
_ Você vai ficar bem Angel. Vamos curar você.
_ Cuide... da .... Buffy por mim..... ela precisa de você agora.....
Ao termino de dizer essas palavras com dificuldade Angel foi consumido pelo fogo da aurora que emanava no sangue de Buffy. Do corpo de Angel não sobraram nem as cinzas que foram levadas ao vento. Isso causou uma grande revolta em Buffy. A caçadora perderá o seu grande amor....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:14 am

Capitulo XVIIIAurora Em Ação.





Ao perceber a morte de Angel. Buffy foi consumida por um ódio mortal, que ela não sabia de onde vinha. Michael sentiu que algo iria acontecer e foi logo se aproximando dela a fim de evitar o pior.
_ Buffy não!!!!! – Gritou Michael tentando se ocultar dos efeitos da Aurora.
Buffy fez sua ira se elevar a tão alta potencia que tudo que estivesse a sua frente ou a sua volta seria incinerado. Michael, Angel e Andrei só podiam fugir do poder dela. Todo anarquista ou membro do clã que estivesse em seu caminho estava morrendo.
_ Fujam. Salvem suas vidas. – Gritava Michael a quem encontrasse pelo caminho.
Uma bola de fogo gigantesca vinha seguindo Michael e a todos que corriam com tamanha velocidade que dava medo. O pânico e correria foi geral. Todos usando seus dons para conseguir fugir do destino que os aguardava. Michael tentava evitar ser tocado de todas as formas possíveis. Ele viu uma tampa de bueiro a sua frente a poucos metros. Com um de seus dons ele conseguiu move-la e se jogou com Angel dentro vedando a passagem a suas costas. Pela fresta que ficou uma lamina de fogo invadiu o lugar, mas não o suficiente para causar dano. Apenas iluminou o resinto dando uma visão pela de onde se encontrava. Era uma galeria de esgoto que dava acesso a todos os lugares da cidade. Assim que o fogo sumiu Michael percebeu que o fogo não chega ao subisolo. Estavam seguros.
_ E agora Michael? O que a gente faz? Não podemos ficar aqui nesse esgoto pra sempre.
_ Eu sei meu Anjo. Buffy não aprendeu a se alimentar e não sabe a necessidade de agir com parcimônia. Ela vai queima todo o seu sangue ate desmaiar. Ai será a hora pra conseguirmos conter ela.
_ Como vamos sair daqui?
_ Vamos seguir os tuneis pra ver ate onde eles nos levam. Pelo menos aqui em baixo conseguiremos nos recuperar um pouco do gasto de energia. – Retirando duas garrafinhas do bolso com um liquido vermelho viscoso.
_ Não acredito que você tem isso nos seus bolsos?
_ Nunca se sabe quando vamos precisar – dizia ele sorrindo simpaticamente – Beba. Não temos muito tempo aqui. Eu sempre preciso de duas pra me recuperar completamente. Não previ que precisaria de mais hoje. Então uma deve bastar pra gente conseguir sair daqui com vida.
_ Obrigado. Você está me saindo melhor que a encomenda. - Dizia ela enquanto se alimentava.
_ Angel. Desde quando você me tirou daquele mundo vazio que era das celebridades, essa é a minha realidade agora. Tive que aprender a sobreviver nela. Sei que aqui nada vem de graça pra ninguém. Se quiser ser algo aqui você tem que correr atrás. Eu não quero ser famoso nesse mundo, apenas quero ser respeitado pelo que eu faço nele. Apenas isso.
_ Michael você já tem o respeito de muitos aqui. Quase todos os Clãs sabem que você é um Neófito. Por sorte ninguém sabe a nossa geração e nem a do Andrei porque na hora que descobrirem isso vai ser um ensaio do que tá por vir.
_ Eu sei disso. Estou ciente de nossa historia. Por isso que estou aqui ajudando no que posso. – tomando o ultimo gole de sua garrafinha e Angel fazendo o mesmo. – agora vamos não temos tempo pra perder aqui em baixo. – guardando as garrafas de volta em seu bolso.
_ Sim. Vamos. Temos eu encontrar o Andrei rápido.
_ O chamei mentalmente para nós achar e pedi pra observar Buffy na hora que ela desmaiar que a prendessem.
_ Espero que ele nos acho logo.
_ Eu também. Vamos por este túnel a luz que vejo está vindo de lá. Pode ser uma saída.
Michael e Angel correram pelos tuneis relativamente escuros para um humano, mas não para eles. Michael conseguia enxergar longe sem muito esforço. O que lhe dava muita vantagem sobre seus adversários. Eles foram em direção ao túnel leste que por sorte dava em uma saída por trás da cidade bem ao leste beirando uma colina semi deserta.
_ Onde estamos Michael?
_ Fora da cidade. Venha aqui ver isso – chama Angel.
_ Que isso?
_ Aquilo foi o que a Buffy fez com a cidade. A transformou em uma bola de fogo. – tom de preocupação na voz.
_ E agora? O que faremos?
_ Com certeza teremos uns anciões bem zangados quando chegarmos lá.
_ Se é que ainda tem alguém vivo lá. Esta tudo queimando.
_ Se nesse meio tempo tiver ido os Anarquistas que nos atacaram não será uma perda muito grande. – olhando para a esquerda – vamos. Andrei se aproxima com um exercito.
Andrei não tardou em responder o chamado de Michael. Com a gravidade da situação ele conseguiu levar o Maximo de gente pra fora da cidade que pode. Os que conseguiram se abrigar nos esgotos escaparam ilesos. Muitos não tiveram a mesma sorte e foram pegos pelo fogo amigo de Buffy. Não tardaram pra se encontrarem no meio da mata. A expressão deles não era muito boa.
_ Como estão?
_ Estamos bem. Apesar de uma parte considerável dos clãs terem sido queimadas vivas pela Buffy. – Dizia Andrei com ar pesado na voz.
_ Isso não vai ser muito bom pra reputação dela.
_ Nem pra sua – observou Andrei – Não ensinou-a a controlar seu poder.
_ Espera ai um minuto a culpa não é minha se ela passou maior parte do tempo dela dentro daquela maldita masmorra na casa dos Toreadores dormindo feito uma pedra. E não foi por falta de tentativa de tira-la do Tupor não. Porque eu fui lá milhares de vezes e ela me ignorava sempre.
_ Parem vocês dois. – Grita Angel – Não adianta por a culpa em ninguém agora. Temos que resolver isso e não ficar brigando.
_ Onde está Buffy? – Pergunta Michael serio.
_ Está desmaiada. Sem sangue na caverna próxima daqui. Achamos melhor por ela presa nas algemas fincadas em uma rocha.
_ E se ela escapar? – Pergunta Angel desconfiada.
_ Minha querida pra ela escapar fraca como está é morte na certa. – Andrei olha pra Michael serio. – agora é com você. Converse com ela. Porque tem ancião querendo a cabeça dela em uma bandeja de prata pelo que ela fez.
_ Vou fazer melhor. Já que a espertinha quer ser independente, vou deixar ela de castigo sem sangue. Alias vai receber o mínimo de sangue pra poder se manter acordada.
_ Você está mal heim Michael – brinca Andrei com o amigo.
_ Não é mal não Andrei. Ela tem que aprender que agora ela precisa obedecer alguém acima dela se quiser viver aqui e esse alguém no momento sou eu. Ou ela obedece ou vai sofrer as consequências como qualquer vampiro rebelde. Eu não vou pagar pelos erros dela.
_ Não faça nada que se arrependa depois Michael.
_ Já me arrepende de tê-la Abraçado – Dizia com um tom de frustração e magoa no ar. - Me leve ate onde ela está. Quero vê-la.
_ Ok. Vamos ela está próximo daqui. – Andrei sai levando Michael e Angel para onde Buffy está presa. Antes de saírem mandam que todos se ocultem do sol que o dia está preste a amanhecer e chega de baixar por hoje. Assim todos o fazem, Michael é levado a sua rebelde Cria que não imagina a confusão que arrumou com seu ataque de pelanca....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 4:16 am

Capitulo XIXAi Complicou Tudo.






Buffy estava imobilizada em uma pedra com pouca consciência. Michael pouco se importou se estava ou não machucando-a, ele queria era que ela sofresse. Sua existência e a de Buffy estavam em risco por conta dos últimos acontecimentos. Agora era questão de honra pra ele que ela o obedecesse ou ele mesmo cortaria a cabeça dela. Assim que ela o viu tentou argumentar.
_ Nem mais uma palavra Buffy. – Interrompeu ela com autoridade. – Chega de suas manhas de menininha mimada. Agora é do meu jeito se não quiser que eu corte a sua cabeça nesse exato momento. Sabe quanto do meu povo você me custou? Não, não sabe por que você ignorou tudo que eu tentei te passar nesses dias. Agora estão querendo nos matar por sua culpa e eu não vou perder a minha existência do lado da mulher que eu amo por sua culpa. Idiota. Eu não quero ouvir a sua voz. Não quero sentir o seu cheiro perto de mim. A partir de hoje você ficar ai presa e só vai receber sua ração diária apena a quantidade que te mantenha consciente e que de pra praticar o que lhe for ensinado. Nada de adormecer pra não aprender nada ou fugir de suas obrigações se fizer isso eu corto sua cabeça. Cansei de ser bonzinho com você Buffy Summers. Andrei vai te ensinar tudo que precisa e só vai te soltar quando tiver certeza que você não será mais problemas pra ninguém.
Michael saiu pisando duro pra fora da caverna onde ela estava presa. Andrei não aprovava as atitudes de Michael, mas ele entendia que fazia para o bem de todos. Michael também não foi fácil de se ensinar nada, com o seu jeito de fazer as coisas ao modo dele. Ele aprendeu sem causar problemas a ninguém. Porem Buffy já estava começando a ser um fardo pra todos e Michael não queria pagar pelo erro que sua Cria cometeu.
_ Nossa Michael. você está tenso.
_ Eu sei. A Buffy me irrita – Dizia ele deitado na cama exausto pelo dia catastrófico. – porque ela tem que ser tão impulsiva e tão burra ao mesmo tempo?
_ Você era assim quando te Abracei.
_ Mas eu comete a burrice de por o Clã inteiro contra você ou contra o Andrei?
_ Eu sempre foi responsável pelo que fazia, tinha ciência das complicações por desobediência, mas ela não quer me ouvir e muito menos aprender nada. To cansando dessa rebeldia dela. Agora pós o Clã todo contra mim por imprudência dela.
_ Quanto a isso eu já resolve. Promete a eles que você a mataria se ela não seguisse as regras.
_ E eles?
_ Concordaram. Expliquei que ela não quer ser mandada por ninguém e que você não consegue falar com ela quando precisa porque ela entra em Tupor. Disse que você não tem culpa por ela quer agir assim. Te isentaram da responsabilidade sobre ela por causa da rebeldia, mas se ela continuar assim você vai ter que mata-la isso eles não abrem mão.
_ Eu corto a cabeça oca daquele pescoço com o maior prazer e não abraço mais ninguém enquanto eu tiver uma não vida pra viver.
_ Não seja duro com você Michael.
_ Outra dessa na minha vida eu mesmo me sento ao sol e torro por lá. – esbraveja de raiva – isso se eu não matar ele ou ela primeiro.
_ Entendo a sua magoa, mas tente não se precipitar. Buffy vai entender a realidade dos fatos e cooperar.
_ Ah, mas ela vai. Nem que pra isso eu tenha que deixar ela trancafiada naquela caverna por século a fio, mas ela vai entender a força. Mas vai.
Andrei permanece ao lado de Buffy após a saída de Michael e fica a observando por um longo tempo. Chegando ate a causar um mal estar nem Buffy.
_ Porque me observa tanto? Vai me julgar também.
_ Não. Só estava pensando porque você age assim sem pensar. Você não é mais humana e tem uma nova missão aqui. O que você fez na tem perdão.
_ eu tenho que proteger os seres ao qual pertence um dia.
_ provocando a irá de uma sociedade oculta inteira que agora pede a sua morte? Muito inteligente da sua parte Buffy. Continue assim e tanto eu quando Michael vamos assistir de camarote os membros da Camarilha atrás de você. Esse é a sua ultima chance acho bom não desperdiça-la.
_ O que você quer que eu faça?
_ Quer mesmo defender a humanidade de nós? Então aprenda a ser uma de nós, use seus dons pra isso e não pra cometer um suicídio.
_ Não quero ser uma vampira. Não pedi isso.
_ Então se senta ao sol e deixe-o destruir você. Também não queríamos você aqui ou era isso ou tínhamos que mata-la. Michael optou por não mata-la por achar que seria útil para nós. E realmente foi. Para um genocídio na nossa raça sem tamanho. – Desabafa Andrei andando de um lado para o outro – Michael já julgou muitos humanos errado quando viva entre eles se isso acontecesse com você não seria diferente. Suas aulas começam amanhã não se atrase.
_ Como se eu tivesse escolha – Grita para Andrei que se afasta rápido – Estou fraca e amarrada a essa pedra como irei faltar? – Pensa em voz alta.
_ Demorou Andrei – Insinua Michael que o esperava em um restaurante da cidade típico pra vampiros - Estava dando um trato na sua nova parceira?
_ Acredite. Eu quero ela morta tanto quanto você.
_ Uhhhh. Começa assim os grandes amores. – Brinca ele.
_ Michael, para.
_ Tá bom não tá mais aqui quem falou.
_ Conseguiu resolver o problema com os Clãs?
_ Angel conseguiu. Devo minha vida a essa mulher de novo. Agora qualquer falha que se tenha com a Buffy eu terei que corta a cabeça dela. – Michael fez um sorrisinho sarcástico pra Andrei. – Simples assim. Então se vira pra ensinar aquela cabeça oca o que precisa se não já era.
_ Ai sobra pra mim?
_ Melhor você do que eu. Se eu for lá a Buffy não passa da primeira aula. – Justificou – Sem paciência – Completou enquanto tomava uma taça generosa de sangue.
_ Como você achou esse lugar? – Receoso pelos outros clientes.
_ Calma Andrei esse lugar é seguro pra nós. Aqui é um Blood Mary.
_ Blood Mary? O que é um Blood Mary?
_ É um restaurante pra vampiros. – Explica Angel – Eu achei um quando o Michael foi fazer aquele maldito show para aquela princesa. Michael encontrou outros espalhados pelo mundo depois que nós o acordamos. Esse abriu a pouco tempo. Eu levava o sangue que ele precisava naquela época daqui.
_ Então está justificado porque você sempre aparecia com aquelas garrafas.
_ Alimente-se o quanto quiser. Já resolvi a conta. – Se levantando da mesa.
_ Pretende sair?
_ Pretendo. Precioso ver se ainda da pra ficarmos aqui. A cidade tá um caos devido ao piti da Buffy. Falei com o prefeito e disse que foi uma tubulação de Gás que explodiu e causou essa destruição toda.
_ Boa desculpa.
_ Eu sei, preciso tapar a lacuna dessa historia ou estaremos perdidos. – justifica Michael indo em direção a porta.
_ Se cuida Michael.
Michael olha pra trás e faz um sinal positivo com a mão. Isso faz com que Angel sinta uma corrente elétrica atípica percorrer seu corpo.
_ Nossa senti algo que não gostei. Da ultima vez que senti isso ele quase....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Mimijak em Dom Mar 27, 2016 5:30 am

Capitulox XXOu Vai Ou Racha.






Michael saiu rápido para encontrar um grupo que o esperava no começo da cidade, próximo ao abrigo onde os demais Clãs estavam temporariamente escondidos. A corrente de proteção da Aurora havia sido desfeita quando Buffy teve seu descontrole. Uma nova precisava ser feita e ninguém sabia se havia sobrado algum Anarquista vivo depois de tudo aqui. Mas ele teria uma desagradável surpresa. Um zumbido fino no ar e uma picada no pescoço de Michael foi o suficiente pra tudo.
_ Verbena – Disse ele antes de cair inconsciente, paralisado no chão.
A angustia de Angel se torna ainda mais forte quando ela tem um lampejo, uma visão de Michael caindo e sendo levado. Angel desmaia na mesa do restaurante sendo amparada por Andrei que a leva para os fundos do estabelecimento sendo guiada pela dona do lugar.
_ Onde está o Michael Andrei? – Em desespero
_ O que houve Angel? Por que esse desespero? – Tentando acalma-la.
_ Eu não sinto a energia dele.
_ Calma a gente vai achar ele.
_ Eu preciso achar o Michael.
_ Acalme-se Angel. Não perca o controle como a Buffy, por favor. – Andrei abraçava ela com força – Respire fundo e controle-se, nós vamos encontra-lo.
Uma verdadeira batida policial de vampiros sai em busca de Michael. Andrei consegue chegar ao grupo com quem ele ia se encontrar e descobre que ele não havia chega e estava muito atrasado. As suspeitas de Angel estavam certas. Todos começaram a procura-lo. – Ele volta às pressas para dar a noticia a Angel e confirmar as suspeitas dela.
_ Senhor, encontrei isso caindo na entrada da cidade. – Disse um dos jovens vampiros que ajudavam nas buscas.
_ Um dardo tranquilizante? – Sentindo o cheiro forte – Munido de verbena. – identifica Andrei. – porcaria quem poderia ter sequestrado Michael.
_ Temos que encontra-lo Andrei ou eles vão descobrir que a lenda é verdadeira. Isso vai ser um inferno se encontram o mestre.
_ Que inferno, ainda têm Anarquistas aqui. - Preocupado. - Angel vá em busca de ajuda. Avise que ainda tem um grupo de anarquistas sobreviventes e estão com o Michael. Enquanto a verbena estiver no corpo dele, ele estará seguro. Temos pouco tempo ate ela evaporar do organismo dele.
_ Eu não vou me perdoar se algo acontecer com ele.
_ Nem eu. Seja rápida. Traga o maximo de gente que puder. – orienta Andrei quase em pânico.
_ Andrei tome cuidado eles não podem te pegar entendeu bem?
_ Entende. Se cuide você também. Vá logo, por favor. Cuidado lá fora. – Angel faz um sinal que entendeu o recado e sai em disparada pra reunir soldado pra o resgate de Michael.
_ Michael meu amor eu vou te encontrar custe o que custar – Promete Angel a si mesma antes de sair em busca de seu amado.....


Continuar....



Em 2013 Aguarde....

Michael Jackson - Threatened


Ameaçado



Rod Serling:

A história desta noite é um tanto incomum e tem uma introdução um pouco diferente
Um monstro tinha chegado na vila
O ingrediente principal de toda a receita para o medo é o desconhecido
E esta pessoa ou coisa vai ser conhecida em breve
Sabe de cada pensamento, pode sentir cada emoção
Ah, sim. Eu esqueci mesmo de uma coisa, não é mesmo? Eu esqueci de apresentá-los ao monstro

Você me teme, porque sabe que sou uma besta
Te vigiando enquanto dorme, quando está na cama
Estou embaixo dela
Você está preso em salões, minha face são as paredes
Eu sou o chão quando você cai, e quando grita é por minha causa
Sou o morto-vivo, os pensamentos obscuros na sua mente
Eu sei exatamente o que você disse
É por isso que você precisa ser ameaçado por mim

REFRÃO:

Você deveria ter cuidado comigo, você deveria sentir-se ameaçado
Por que dorme, por que se arrasta, você tinha que estar ameaçado
Cada vez que sua mulher fala, ela fala comigo, ameaçada
Metade de mim você nunca será, por isso você tem que sentir-se ameaçado por mim

Você acha que está sozinho, mas foi meu toque que você sentiu
Não sou um fantasma do inferno, mas tenho uma cisma com você
Em um piscar de olhos eu sumo, e daí volto para assombrá-lo
Estou falando, quando estiver em seu túmulo
Serei eu quem te vigiará
É por isso que você deve ser ameaçado por mim

Refrão

Rod Serling:


O desconhecido monstro está para partir
De um canto distante, fora da obscuridade
Um pesadelo, é este o caso
Never, Neverland, é este o lugar
Este monstro em especial consegue ler mentes
Estar em dois lugares ao mesmo tempo
Esta é a noite do julgamento, da execução, do massacre
O demônio, fantasmas, este monstro é tortura
Você pode estar certo de uma coisa, é o destino
Uma presença humana que você sente é estranha
Um monstro que você pode ver desaparecer
Um monstro, a pior coisa a temer

REFRÃO x3

Rod Serling:
O que você tem testemunhado apenas poderia ser o fim de um pesadelo particularmente aterradora.
Não é. É o começo

Fim....


avatar
Mimijak
Adm
Adm

Feminino Mensagens : 20561
Data de inscrição : 05/03/2011
Localização : Brasil

Ficha do personagem
MimiJak Invincible: 1

http://mimijak-mjj.forumsmusic.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Michael e Buffy a sociedade de Cain

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum